Comportamento

Pensar demais antes de agir pode levar à estagnação

Thinkstock
O excesso de considerações pode prejudicar o impulso humano fundamental: a ação imagem: Thinkstock

Marina Oliveira e Rita Trevisan

do UOL, São Paulo

Estarmos sempre antenados, em busca constante por informações, é uma cobrança da vida moderna. Aparentemente, quanto mais conhecimento adquirimos, mais bem preparados estamos para enfrentar situações desafiadoras. Por outro lado, o excesso de considerações pode prejudicar o impulso humano fundamental: a ação. 

"Raciocinar demais diante das situações é uma tentativa de dominar todas as possibilidades e efeitos das nossas decisões. Só que, com isto, diminui a nossa capacidade de ação e podemos ter dificuldade para encontrar soluções criativas", explica a psicóloga Elisa Villela, doutora em desenvolvimento humano pela USP. Assim, pensar menos pode permitir a descoberta de saídas mais inovadoras para os mesmos problemas, o que só é possível quando acessamos um conhecimento previamente adquirido, que alguns especialistas chamam de intuição. 
 
Em linhas gerais, a reflexão pode e deve ser o primeiro passo para a tomada de atitude. No entanto, se ela começar a bloquear os movimentos e provocar estagnação, também pode sugerir uma insegurança sobre o próprio potencial, que precisa ser investigada com mais cuidado. "Algumas pessoas postergam decisões por acreditarem que o repertório de informações que possuem nunca é suficiente", alerta a doutora em psicologia clínica Maria Elisabeth Montagna, professora da PUC de São Paulo. 
 
O ponto de equilíbrio
A solução, portanto, não é deixar de pensar antes de agir, mas, na medida do possível, conciliar impulsividade e raciocínio. "Em determinadas situações, é importante se dar ao direito de agir num ímpeto. Tomar decisões e assumir determinados comportamentos pode implicar em se permitir ser agressivo, mas não no sentido destrutivo. Estamos falando daquela agressividade vital que todos nós precisamos para delimitar nosso espaço no mundo", defende Elisa.
 
Para conseguir agir dessa maneira, a psicóloga explica que maturidade e um bom nível de autoconhecimento são essenciais. Com isso, é possível atender aos próprios desejos sem perder o contato com a realidade. "Em alguns casos, pode ser benéfico pensar um pouco menos e  adotar comportamentos emocionais, independente das consequências não tão positivas a médio e longo prazo", afirma Reginaldo do Carmo Aguiar, psicólogo especialista em terapia comportamental. "Isso não significa ser inconsequente, mas ter ideias e pensamentos flexíveis, aceitando que erros fazem parte da vida", acrescenta. 
 
A intuição a seu favor
Na hora de decidir também vale tirar proveito da intuição, ou seja, aquela sensação que nos aparece repentinamente trazendo uma certeza íntima sobre a validade de determinada atitude, mesmo quando somos incapazes de explicá-la de forma objetiva. 
 
"A intuição é a habilidade de processar informações inconscientemente, sem a intervenção do raciocínio lógico. Ela se desenvolve por meio de experiências e memórias acumuladas no decorrer da vida", define a psicóloga Katia Rech, do Centro de Desenvolvimento da Intuição e Criatividade. É como se tudo o que você viveu e aprendeu fosse arquivado e, quando é necessário, estas informações se organizam e surgem à mente num insight, sem que você consiga identificar os passos que levaram até a essa ideia. 
 
"Nunca temos certeza absoluta a respeito de uma intuição e, por isto, tendemos a descartá-las sem verificar sua veracidade e aplicação", declara Katia. Segundo a especialista, quando há pouca informação disponível e é necessário tomar uma decisão, esta capacidade pode ser mais útil do que questionar-se repetitivamente em busca de uma certeza. 
 
Meditação, ioga, técnicas de relaxamento e atividades ligadas à arte são maneiras de conectar-se a si mesmo e de desenvolver ainda mais a intuição. Contudo, deve-se saber o momento de usá-la e quando é preciso submeter os sentimentos íntimos à uma reflexão mais profunda. E, sobretudo, cuidar para que esta reflexão não se prolongue indefinidamente, levando ao estado improdutivo de inércia.
Topo