Vida no trabalho

Não aguenta mais fazer hora extra? Siga dicas para mudar isso

Thinkstock
Trabalhar demais pode ser resultado de sobrecarga, mas também de desorganização imagem: Thinkstock

Giovanny Gerolla

Do UOL, em São Paulo

Trabalhar 40 horas semanais pode ser considerado um privilégio. Atualmente, a realidade do empregado é dedicar de 52 a 56 horas por semana à empresa que o contrata, de acordo com dados da Comissão Internacional em Saúde Ocupacional (tradução livre de International Commission on Occupational Health). Quem os apresenta é a psicóloga organizacional e professora-coordenadora do Núcleo de Gestão de Qualidade de Vida no Trabalho, do Departamento de Administração da FEA-USP, Ana Cristina Limongi França. 

A diretora de educação executiva da ESPM Célia Marcondes Ferraz afirma que, atualmente, é esperada maior dedicação do funcionário: "Mas não tenho a menor dúvida de que o excesso de horas extras também se relaciona a uma sobrecarga de trabalho".
 
Um exemplo que ela dá (e é frequente nas empresas) é o das trocas de e-mails inúteis. A sugestão dela é questionar-se se há necessidade de enviar uma mensagem com cópia para o chefe e para a equipe durante negociações que são feitas, incluindo todos os passos, enchendo a caixa de e-mails de todos com mensagens irrelevantes para outras pessoas. 
 
Para ela, o fato de o jovem profissional não saber priorizar tarefas também é responsável pelos atrasos frequentes na saída. O resultado é uma agenda perdida entre papéis, cobranças e muito desespero em cumprir prazos.
 
 
Segundo o consultor de recursos humanos e CEO do Grupo Triunfo, Scher Soares, o excesso de horas extras pode ser diagnosticado como um problema sério se, a cada cinco dias trabalhados na semana, em pelo menos três deles se perdeu a noção do tempo. "Pode ser tanto falta de organização, como dedicação excessiva e desnecessária: é preciso analisar caso a caso", explica.
 
Para Scher, um bom caminho de autoanálise é se comparar a colegas que têm atividades similares. Se constatado que todos conseguem sair no horário, menos você, investigue como essas pessoas planejam.
 
Ana Cristina Limongi França aconselha que, detectados os excessos, sejam buscadas mudanças na rotina e na forma como se encara a vida no trabalho. Afinal, ficar até mais tarde todos os dias pode ser resultado de uma sobrecarga. Por outro lado, passar horas a mais no escritório não é sinônimo de comprometimento nem de competência. Ao contrário: pode denunciar desorganização e procrastinação. 
 
Mente leve
Uma das receitas para aumentar o rendimento no trabalho é avaliar suas expectativas, ter um projeto de vida, descobrir sua vocação, reconhecer o significado de seu trabalho, questionar se você tem a sensação que que seu tempo está sendo jogado fora ou se você se sente desrespeitado. A Ideia central é não desperdiçar horas no trabalho remoendo insatisfações –afinal, elas também tomam tempo produtivo. "Satisfação aumenta a produtividade", afirma a professora e psicóloga Ana Cristina, além de ser importante para outros aspectos da vida, incluindo a saúde.
 
Vida própria
Tenha horário programado e disciplinado, fora do expediente, para atividades que te farão bem. Mesmo que o passatempo seja um curso de especialização na sua área preferida. Para Célia Marcondes Ferraz, diretora de educação executiva da ESPM, é preciso planejar a vida pessoal: "As pessoas não têm programação nenhuma com familiares, companheiros e amigos; isso nos ajuda a ter melhor dimensão do número de horas restantes na semana para dedicar ao trabalho".
 
 
Garantia de qualidade
Qualifique seu trabalho, colecionando informações úteis sobre suas funções e possíveis meios de melhor executá-las. "Será que conheço bem todos os sistemas e ferramentas oferecidos pela empresa e que servem à organização do meu trabalho?", pergunta Célia Marcondes Ferraz, da ESPM. Muitas vezes, há novas formas mais eficazes de executar antigas tarefas e o trabalhador nem está sabendo.
 
Agenda detalhada
Planeje a semana seguinte na sexta-feira, ao final do expediente, ou aos domingos, à noite. "Quem não faz isso chega ao escritório na segunda e é engolido por compromissos", afirma Scher Soares, consultor e CEO do Grupo Triunfo. A falta de planejamento não permite enxergar o que é prioritário. "A pior coisa é fazer tudo por reação, conforme a demanda", informa o consultor. Conheça suas atividades, avalie quanto tempo cada coisa toma, em média, e organize prioridades, para chegar a uma lista possível de afazeres. "Assim, você poderá argumentar de forma fundamentada contra ordens que lhe fariam extrapolar seu horário de trabalho", diz ele. 
 
No seu quadrado
Não queira abraçar o mundo. Isso compromete a boa qualidade dos serviços para o qual foi contratado e que deveriam ser prioritários. É desnecessário se envolver em todas as iniciativas para as quais você é “convidado”, e não designado. E saiba a hora certa de dizer: "Hoje não posso te ajudar, pois tenho um trabalho para entregar até o final do dia".
 
 
Dispersão zero
O trabalho na frente do computador e a disponibilidade da internet propicia uma série de atividades de imenso potencial dispersivo. Facebook, Twitter e e-mails tomam muito mais tempo do que deveriam. Segundo Scher Soares, do Grupo Triunfo, o planejamento semanal deve incluir o tempo máximo a ser ocupado com elas. São poucos os ofícios que exigem trabalho online o tempo todo. Se este não for o caso, saiba quando se desconectar. 
 
Linha direta
Muitas conversas acabam sendo escritas e não faladas. Só que escrever leva mais tempo. Diferencie quais conversas devem ser mantidas por e-mail, pessoalmente ou por telefone. A troca infinita de mensagens exige mais concentração e tempo. Marcar um almoço, por exemplo, é mais rápido com uma ligação. Basta comparar quantos minutos você leva para agendar o encontro via e-mail e por telefone. Até vocês conseguirem chegar a um acordo sobre dia, hora e local do almoço trocando e-mails já se passaram horas. 
 
Ordem na casa 
Organize seu computador, separando conteúdos e informações em pastas. "Facilita buscas, agilizando o trabalho", explica Scher Soares. Disponibilidade e acessibilidade também valem para contatos telefônicos, lista de clientes, fornecedores e mesmo mapas dos melhores caminhos para chegar a determinados lugares que você tem de ir com certa frequência, mas não decorou o trajeto.
Topo