Relacionamento

Casamento sem sexo é coisa antiga, mas reclamar disso é novidade

Didi Cunha/UOL
Vote na enquete e use o campo de comentários desta página para opinar sobre o tema imagem: Didi Cunha/UOL

Yannik D´Elboux

Do UOL, no Rio de Janeiro

Ninguém gosta muito de admitir, mas a falta de sexo é um problema comum no casamento. A excitação do início do relacionamento vai se perdendo com o passar do tempo e com o aumento das responsabilidades cotidianas.

O sexo deixa de ser prioridade até simplesmente se tornar um evento raro na vida de alguns casais. Não é possível saber com exatidão quantos vivem um casamento sem sexo no Brasil, entretanto, um estudo realizado pelo Ministério da Saúde, em 2008, revelou que 11% das pessoas que mantinham um relacionamento estável não haviam tido relações sexuais no período de um ano.

Um casamento pode ser feliz sem sexo?

Resultado parcial

Total de votos
Total de votos

Para os especialistas norte-americanos, um casamento sem sexo é aquele em que o casal não tem mais do que dez relações por ano, um pouco menos do que uma transa por mês. Se esse parâmetro for levado em consideração, o relacionamento do segurança Vinícius*, 28 anos, que mora em Santos (SP), encaixa-se nessa definição.

Casado há oito anos e pai de uma menina de três, ele diz que faz sexo com a mulher a cada dois meses, isso "se insistir muito", senão acaba ficando até mais tempo sem contato sexual. Ele conta que a relação começou a esfriar há uns quatro anos, quando a mulher simplesmente perdeu a vontade.

"Já fiz praticamente tudo, já tentei de músicas e dancinhas ridículas até jantares românticos e presentes, mas a resposta é sempre 'não'", relata. Apesar disso, Vinícius não pensa em se separar, pois acredita que o amor compensa a falta de sexo, porém, continua com a esperança que um dia a situação mude.

$!$render-component.split('/')[$math.sub($render-component.split('/').size(), 1)]

Frequência sexual

Para a psicóloga e sexóloga Sheila Reis, diretora de relacionamento da Sociedade Brasileira de Estudos em Sexualidade Humana, a ausência ou baixa frequência de relações sexuais em um casamento só pode ser considerada como problema se um dos cônjuges não estiver satisfeito. "Quem estabelece o ritmo é o próprio casal".

Sheila enfatiza que não existe uma frequência normal ou ideal, o importante é que o sexo seja satisfatório e prazeroso para os dois. A psicóloga também chama a atenção para a influência dos veículos de comunicação na vida entre os lençóis, que às vezes propaga padrões sexuais que não se aplicam a todo mundo. "Casais que não tinham problemas acabam achando que têm porque ficam se comparando a outros".

Transando pouco ou muito, as pessoas sempre reclamam. Segundo Bianca Soeiro Beleosoff, que mantém com o marido o blog "Mete a Colher", em que opinam sobre a vida amorosa alheia, a maior queixa dos leitores é a falta de sexo. "Tem tanto aquele que transa apenas duas vezes por mês e reclama quanto o outro que faz três ou quatro vezes por semana e se queixa dizendo que é pouco", conta Bianca, acrescentando que a insatisfação não é apenas dos homens.

A blogueira diz que a maioria alega que, com o tempo, o relacionamento esfriou. “Parece que muitas pessoas ainda não entenderam que o início é um momento único. Acham que se não sentem mais aquele fogo e frio na barriga significa que o amor e o desejo acabaram", reflete.

$!$render-component.split('/')[$math.sub($render-component.split('/').size(), 1)]

Esfriou, e agora?

A sexóloga Sheila Reis concorda que a fantasia de que tudo será mágico, como no começo da relação ou nas novelas, atrapalha os relacionamentos longos. “Depois de um tempo, o sexo é diferente. Não significa que seja pior. O legal é descobrir que no casamento ele pode vir a qualquer hora, a qualquer momento".

Para a psicóloga e terapeuta sexual belga Esther Perel, autora do livro "Sexo no Cativeiro" (Editora Objetiva), traduzido para 25 idiomas, a crise que muitos casais estão vivendo advém das expectativas do amor no mundo moderno. "É a primeira vez na história que nós estamos tentando criar relações duradouras que também tenham paixão. Conectamos a felicidade do casamento com a satisfação sexual. No passado, isso não era algo que determinava a qualidade do casamento".

Os casais querem amor e desejo, entretanto, o que mantém um apaga o outro. O amor pede estabilidade, segurança e previsibilidade, já o desejo arde mais quando existe mistério, aventura e novidade. "O que precisamos emocionalmente não é a mesma coisa que nos excita sexualmente", diz Esther Perel.

Como é possível resolver esse dilema? A terapeuta afirma que é preciso criar espaço na relação para manter uma certa intensidade erótica, por meio da imaginação, brincadeira e curiosidade pelo outro, que não pode perder seu caráter individual. "Equilibrar estabilidade e aventura em uma relação talvez não seja um problema que se resolva, mas que se administre".

Sheila Reis diz que o segredo é  um velho conhecido: o diálogo. Mesmo estando em um relacionamento há anos, segundo a sexóloga, muitas pessoas ainda não conseguem expor suas necessidades e seus desejos por medo do que o outro vai pensar. "O diálogo aberto, sem receio ou vergonha, corresponde a 90% de qualquer tratamento”.

$!$render-component.split('/')[$math.sub($render-component.split('/').size(), 1)]

* O nome do entrevistado foi alterado

Topo