Relacionamento

Traído que remói decepção quer despertar compaixão alheia

Didi Cunha/UOL
Carência faz com que a pessoa tente chamar a atenção com sua história triste imagem: Didi Cunha/UOL

Heloísa Noronha

Do UOL, em São Paulo

A infidelidade de quem se ama costuma trazer à tona aspectos espinhosos do relacionamento. E provoca no traído um efeito devastador na autoestima e na capacidade de confiar nos outros.

Cada pessoa tem um jeito diferente de lidar com os problemas e com o próprio sofrimento; logo, umas podem demorar mais do que as outras para superar o período pós-traição e decidir se seguem ou não adiante com a relação.

Para alguns homens e mulheres, no entanto, a decisão de romper ou não com o parceiro infiel nem sempre significa um ponto final no enredo. Há quem fique eternamente preso nesse desfecho sem final feliz e, pior, transforme os que estão à sua volta em eternos espectadores.
 
Uma das explicações é que muita gente se apega a acontecimentos carregados de emoção e não conseguem mais se libertar do passado. Mesmo que a traição já tenha acontecido há anos, volta e meia o traído fica relembrando e contando aos outros tudo o que sofreu.

"Essas pessoas sentem um prazer mórbido e masoquista ao reviver suas mágoas. Se a história for permeada por detalhes escabrosos, então, o deleite é ainda maior", afirma a psicoterapeuta Carmen Cerqueira Cesar.
 
Quem age assim passa a ideia de que sente orgulho de ter sido traído. E não é uma impressão,  segundo o psicólogo e psicoterapeuta Antonio Carlos Amador Pereira, professor da PUC-SP (Pontifícia Universidade de São Paulo). Para ele, ao usar a infelicidade como uma espécie de emblema, a pessoa ocupa o papel de vítima e obtém um ganho secundário com isso.

"Ao falar sobre seu drama, a pessoa recebe de volta atenção, afeto, consideração, empatia. A piedade alheia, para ela, funciona como um afago", conta o especialista.

"É uma atitude comum entre indivíduos com  baixa autoestima e que não se sentem valorizados ou merecedores de amor", fala Carmen. E, ainda, uma forma de se eximir da parcela de responsabilidade que lhe cabe pelo fim da relação e demonizar o antigo parceiro, impondo a ele a função de vilão. 
 
A psicoterapeuta Sandra Samaritano diz que nem só os "coitadinhos" compõem o time dos que adoram reviver suas decepções amorosa.

"Algumas pessoas fazem questão de manter a imagem de bem-resolvidas e de que não estão nem aí para o fato de terem sido enganadas. ‘A fila anda’ é o lema. A indiferença, nesses casos, é só fachada. Enquanto tentam convencer os outros de que estão felizes e que superaram o que aconteceu, sofrem em silêncio".

É comum, também, que pessoas traídas demonstrem sentir orgulho da infidelidade porque isso dá a chance de mostrar que são modernas ou fortes.
 

Muleta emocional

 
Seja assumindo uma postura de vítima ou de desprendimento, é necessário  romper o círculo vicioso de relembrar as mazelas a todo instante para chamar a atenção.

"Esse comportamento até desperta compaixão, inicialmente. Mas, depois de um tempo, a pessoa passa a ser considerada chata. Os outros começam a evitá-la e a afastá-la de seu convívio", fala o psicólogo Antonio Carlos. Viver do passado e transformar amigos em ouvintes também é uma forma de se abster de tomar as rédeas da própria vida. 
 
A traição vira uma muleta emocional, na qual a pessoa se ampara para não caminhar por si mesma. "É importante analisar se o que a impede de seguir adiante é o medo de encarar um novo relacionamento e se machucar novamente. Trata-se de um receio totalmente sem fundamento, pois ninguém, em nenhuma situação, está livre de se decepcionar", declara Carmen.

Para Antonio Carlos, investir na carga seletiva da memória e filtrar os momentos ruins da antiga relação pode ser um bom começo. "Em vez de olhar para trás e ficar andando em círculos, sugiro ocupar a mente com outros planos e, principalmente, perdoar o outro e se perdoar pelo relacionamento não ter dado certo", diz o psicólogo da PUC-SP.

Topo