Comportamento

Acha difícil puxar papo nas festas de final de ano? Especialista dá dicas

Shutterstock
Veja dicas do professor de psicologia Bernardo Carducci, diretor do Instituto de Pesquisa em Timidez da Universidade Southeast de Indiana, nos Estados Unidos imagem: Shutterstock

Relax News

Se você não quer passar as festas de final de ano no canto da sala, fingindo ler e-mails importantes em seu smartphone ou comendo sem parar com medo de ter que se envolver com as brincadeiras de estranhos, pode ser a hora de desenvolver uma habilidade importante: a de saber puxar papo com estranhos.

Segundo o professor de psicologia Bernardo Carducci, diretor do Instituto de Pesquisa em Timidez da Universidade Southeast de Indiana, nos Estados Unidos, a importância desse tipo de conversa é muito grande: ela não só ajuda a estabelecer conexões entre estranhos, mas também pode gerar atos de bondade e fazer as pessoas felizes. "As pessoas que são mais felizes e mais influentes têm a rede social mais forte", afirma.

Veja algumas dicas de Carducci sobre como interagir com os convidados de uma festa e sair dela com algumas novas amizades.

Chegue sempre na hora marcada

Segundo Carducci, se você se atrasa muito para a festa, tem menos chances de estabelecer contato com pessoas diferentes. E a possibilidade de que os grupos já tenham sido formados e as conversas aconteçam sem você é muito maior.

 

Converse

"Do mesmo modo que elogios se transformam em um sorriso, uma saudação mais extensa pode se transformar em uma conversa. É assim que você constrói redes sociais", afirma o especialista.

Você não tem que ser um comediante

Segundo Carducci, você não tem de ser engraçado ou espirituoso demais para se envolver com estranhos. Uma boa maneira de praticar é encontrar alguém que está sozinho e começar a conversa. Assim, não há pressão para entreter um grupo de desconhecidos.

Seja interessante

Para ser bom nesse tipo de interação, você precisa ter algo interessante a dizer. Faça um esforço para aprender sobre eventos atuais, o lugar e as questões locais. Assim, você se torna capaz de contribuir nas conversas, de ter algo a acrescentar.

Prepare sua introdução

Segundo Carducci, você precisa ter um discurso preparado ao se apresentar aos outros, algo que vai levar a conversa adiante. "Eu trabalho no shopping", por exemplo, é algo que mata a conversa logo no início. De acordo com o professor de psicologia, uma boa maneira de iniciar uma conversa nesse caso seria dizer: "Eu vendo celulares no shopping. Você não faz ideia das razões que levam as pessoas a querer comprar um".

Seja a conversa

Saber como mover o diálogo trazendo à tona outros tópicos também é importante, pois pode levar a outras conversas interessantes.

Pare de falar

Para isso, você precisa de sensibilidade para notar quando seu tempo acabou. Sinta a atmosfera, fazendo pausas periódicas para ver se os outros estão participando ou mudando de assunto. "Uma pessoa com uma conversa pobre pode imaginar que está caminho certo, empolgar-se demais e não perceber que está cansando os outros. Se as pessoas estão interessadas, elas farão perguntas quando você parar de falar", afirma ele.

Não tenha medo de conversas rápidas

Circule e faça um esforço para falar com várias pessoas diferentes na festa. De acordo com Carducci, uma maneira de fazer esse deslocamento é dizer: "Eu tenho que ir, há algumas pessoas ali com quem eu preciso conversar. Nós nos falamos mais tarde". 

Topo