Equilíbrio

Identifique sinais de que o celular está atrapalhando a sua vida

Getty Images
Se o uso do celular está atrapalhando outros aspectos da sua vida, fique alerta imagem: Getty Images

Yannik D'Elboux

Do UOL, no Rio de Janeiro

Quantas vezes por dia você checa o seu celular? Em todos os lugares, é possível ver pessoas que não largam o aparelho para nada, nem para comer ou assistir a um filme no cinema. Há poucos anos, a primeira coisa que se costumava fazer pela manhã era escovar os dentes ou lavar o rosto. Agora, o mais comum é verificar as notificações do smartphone antes mesmo de sair da cama.

Uma pesquisa, realizada no ano passado pelo aplicativo Locket, que paga aos usuários nos Estados Unidos para exibir publicidade na tela de abertura do celular, revelou que, em média, as pessoas checam o aparelho 110 vezes por dia. Outra estatística, apresentada pela Nokia em 2010, apontava para 150 checagens diárias.

Esse h $!$render-component.split('/')[$math.sub($render-component.split('/').size(), 1)]

Tratamento

Apesar de impactar na maneira como vivemos e nos relacionamos nos dias de hoje, o psiquiatra Aderbal Vieira Junior, responsável pelo setor de tratamento de dependências de comportamentos do Proad (Programa de Orientação e Atendimento a Dependentes) do Departamento de Psiquiatria da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), acredita que o uso excessivo de celular não acarreta transtornos graves.

"É uma forma de dependência leve, mas mesmo que seja caracterizada como tal, dificilmente a pessoa busca tratamento", esclarece.

Contudo, o psiquiatra percebe consequências negativas desse comportamento, que considera mais como um abuso da tecnologia do que uma dependência propriamente dita. "Tem um grau de empobrecimento existencial. As pessoas estão se relacionando menos porque estão muito concentradas no mundo virtual", diz.

A psicóloga norte-americana Kimberly Young, responsável pelo primeiro programa de reabilitação com internação para dependentes de internet dos Estados Unidos, concorda que o problema ainda não requer tratamento médico. "Penso que nós damos mais atenção aos nossos aparelhos móveis do que deveríamos, mas não é caso para tratarmos clinicamente".

Kimberly conta que a reabilitação para os dependentes tecnológicos começou no ano passado por causa do aumento da procura de pacientes por tratamento com internação. "Funciona da mesma forma que uma reabilitação para dependentes de drogas", explica. O programa recebe pessoas adictas à pornografia, compras online, jogos e redes sociais.

Para saber se o uso do celular está indo além do limite, a psicóloga Dora Sampaio afirma que é preciso analisar se o comportamento interfere nas atividades cotidianas e traz prejuízos para a vida do indivíduo. "Um dos sinais é quando a pessoa tenta diminuir o uso, mas não consegue", alerta.

Falta de interação

Arquivo pessoal
Daniel Oshiro, 27, que não fica mais do que 30 minutos sem checar o celular imagem: Arquivo pessoal

A reclamação mais comum nos dias de hoje é que as pessoas não interagem porque ficam o tempo todo no celular. O desenvolvedor web Daniel Oshiro, 27, morador de São Paulo, um usuário intensivo de smartphone (ou "hard user", como ele mesmo se define), não acredita que a culpa seja do aparelho.

"Alguns amigos não gostam, dizem que não participo muito. Mas sou bastante introvertido, então, com celular ou sem, não acho que vou me comunicar mais com eles", diz.

Daniel chega a carregar a bateria do celular três vezes no mesmo dia e dificilmente fica mais do que 30 minutos sem checar o aparelho, com exceção da noite, em que programa seu smartphone para não tocar nem vibrar das 23h às 6h.

O desenvolvedor não concorda com quem o critica, dizendo que ele perde detalhes da vida. "O que as pessoas não entendem é que normalmente não estou 100% imerso no celular. Como usei o aparelho boa parte da minha vida, consigo olhar coisas no telefone e participar da conversa", defende-se. Mas confessa que às vezes vai para o smartphone porque o tema da discussão não o atrai. "Se o assunto na mesa está interessante, não mexo no celular", revela.

Pegar o smartphone para fugir da conversa ou da reunião chata, procurar a última piadinha ou olhar quem comentou o post na rede social são maneiras instantâneas de perseguir o prazer. "Todos temos essa tendência. É uma característica do ser humano buscar o prazer mais imediato, rápido e menos trabalhoso possível", diz o psiquiatra Aderbal Vieira Junior.

Três sinais que indicam dependência

  • Falta de controle

    O indivíduo tem a sensação de que não tem escolha, que é compelido a fazer aquilo. No caso do celular, não consegue deixar de checar o aparelho a todo instante, às vezes até durante a noite, atrapalhando o sono.

  • Prejuízos para a vida

    Só existe dependência quando o comportamento traz prejuízos ou problemas importantes, como colocar emprego, relacionamento, convívio social e familiar ou vida acadêmica em risco. A pessoa negligencia tarefas e perde qualidade de vida.

  • Universo restrito

    A dependência leva a um comportamento empobrecedor e limitante. O universo vai ficando cada vez mais restrito. Isto é, nada mais interessa além daquele comportamento ou do objeto de sua dependência.

Topo