Relacionamento

Vale a pena ser amante, como a Isis de 'Império'? Veja análise e opine

Divulgação/TV Globo
A atriz Marina Ruy Barbosa interpreta a personagem Isis, em "Império" imagem: Divulgação/TV Globo

Simone Cunha

Do UOL, em São Paulo


Aceitar com passividade o papel de amante, como acontece com Maria Isis (Marina Ruy Barbosa), em "Império", pode parecer fácil. No entanto, a antropóloga Mirian Goldenberg, autora dos livros "A Outra" e "Por que Homens e Mulheres traem?" (Bestbolso), afirma que uma situação como a dela é mais difícil do que aparenta. "Em geral, este tipo de relacionamento envolve muito sofrimento e dificuldade para lidar com o fato de não ser a única, a número um, a que completa o par sem necessidade de outras", diz a especialista.

É mais comum encontrar mulheres nessa condição, por uma questão cultural. "Elas não são educadas para se dividir entre dois homens", fala Mirian. Já eles, muitas vezes, foram criados para separar a mulher da casa e a da rua, aquela que cuida da família e a que oferece prazer.

O psiquiatra Luiz Cuschnir, coordenador do Gender Group® do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (Universidade de São Paulo), comenta que a mulher tem uma vida emocional muito rica e, por conta disso, envolve-se mais facilmente, mesmo que a situação não seja a de sua preferência. “Elas também acreditam mais em promessas e creem que poderá haver mudança do status de amante, se for persistente", explica.

Para a psic $!$render-component.split('/')[$math.sub($render-component.split('/').size(), 1)] "Essa história de que o cara vai largar a esposa não existe", diz P.R.V., 38 anos, representante de vendas, que foi amante de um homem por três anos. Segundo ela, não vale a pena aceitar essa posição. "No fim, a gente descobre que tudo é uma grande enganação e não dá para levar a situação por muito tempo", diz.

Já a esteticista M.L., 62 anos, conta que foi "a outra" por 18 anos. “Gostava dele e compreendia que ele não podia abandonar a família por causa dos filhos”, afirma. E ela diz que nunca exigiu isso dele, e que não se arrependeu em ter mantido o relacionamento por tanto tempo. "Foi um grande amor".

Você seria amante de alguém?

Resultado parcial

Total de votos
Total de votos

Uma doce ilusão

De acordo com Mirian, por amor, dependência e medo da solidão, muitas mulheres preferem ser amantes a ficarem sozinhas. "Além disso, algumas afirmam que, neste tipo de relacionamento, não existe a rotina e as obrigações de um casamento, portanto, a relação é mais gostosa, divertida e cheia de tesão", acrescenta.

Entretanto, Margareth acredita que isso pode ser uma ilusão e, em geral, a amante espera ser a escolhida. "Afirmar que este tipo de relacionamento é melhor porque foge da rotina é uma maneira de tentar se confortar. Em muitos casos, pode ser até um subterfúgio para suportar a situação", explica.

É importante, entretanto, dizer que um relacionamento extraconjugal pode oferecer grandes momentos de amor e sexo. "O espaço para sentirem o amor de um pelo outro é grande, mas para viverem esse amor no dia a dia é restrito. E isso terá implicações importantes na construção de projetos de vida comuns e de experiências sociais e familiares", afirma Cuschnir. 

Para Margareth, ser amante é ter a certeza de que não terá companhia em datas importantes como festas e feriados. "A amante não tem a rotina, mas também não tem as coisas boas", fala a especialista. Ela comenta que um relacionamento se constrói no dia a dia e se fortalece a partir do momento em que se aprende a lidar com os aspectos bons e ruins.

Você seria amante de alguém?

Resultado parcial

Total de votos
Total de votos

Os tipos de amantes

Em seu livro "A Outra", Mirian classifica os três tipos de amante: a passageira, aquela que fica por pouco tempo na situação; a transitória, que está esperando ele se separar para se tornar a mulher oficial e a permanente, aquela que vive como amante por muitos anos, sem expectativa de que seja assumida.

"Um relacionamento pode abarcar completamente a vida que a pessoa leva. Por isso, começa como brincadeira, uma intenção de terminar quando quiser e, de repente, a pessoa está em um nível de envolvimento que não consegue se afastar, mesmo sabendo dos malefícios que causam", explica Cuschnir. Segundo o psiquiatra, existe relacionamento que provoca verdadeiros "sequestros emocionais", causando dependência e criando situações semelhantes a um cativeiro.

O corretor de imóveis D.B.B., 41 anos, diz que o lado negativo de uma relação extraconjugal é a mentira. "Não se tem amante sem mentir. A consciência pesa demais, a culpa machuca muito", afirma. Durante seis anos, mesmo sendo casado, manteve uma amante, também casada. Eles acabaram se separando. "Ainda somos amigos, cúmplices e apaixonados um pelo outro, mas cada um na sua", fala. O relacionamento não continuou porque, na época, foram descobertos e decidiram evitar possíveis brigas e mágoas.

Só vale a pena ser amante se houver maturidade e uma boa estruturação da vida. “Depender apenas dessa relação amorosa pode ser muito desgastante e afetar outras áreas da vida. Pode ter implicações profissionais e de outras relações como um todo e prejudicar a saúde de pessoas que não têm a estrutura psicológica adequada”, afirma o psiquiatra. 

Você seria amante de alguém?

Resultado parcial

Total de votos
Total de votos
Topo