Relacionamento

Sexo casual virou amor? Revele seus sentimentos aos poucos

Getty Images
Apaixonou-se? Se houver a mínima possibilidade de uma relação, abra o jogo imagem: Getty Images

Louise Vernier e Rita Trevisan

Do UOL, em São Paulp

Ligar para o par no dia seguinte do encontro, mandar mensagem desejando bom dia e dar satisfação sobre o que faz são atitudes que não faz parte das relações casuais. Roberto Mendes Guimarães, professor de psicologia da Unicentro (Universidade Estadual do Centro-Oeste) e especialista em Sexualidade Humana, diz que esse tipo de relacionamento envolve um forte componente sexual e dispensa qualquer tipo de compromisso. "Quem procura o sexo casual está em busca de prazer; não quer cumprir nenhum trato mais tarde", diz.

Porém, não é incomum que, partindo de um relacionamento desse tipo, aconteça um envolvimento afetivo, por parte dos dois parceiros ou de apenas um deles. Geralmente, quando o sexo casual gera um sentimento mais profundo, é comum pensar no parceiro o tempo todo, sentir saudade quando estão separados e começar a sofrer com o ciúme ao perceber a possibilidade de ele estar se relacionando com outra pessoa.

Você já se apaixonou por alguém com quem transava casualmente?

Resultado parcial

Total de votos
Total de votos

Nesse caso, não adianta tentar evitar o sentimento que, a essa altura, já está instalado. “É comum a pessoa ter medo da reação do par, colocar na cabeça que ele não vai querer se comprometer e reprimir o que está sentindo. Mas lutar contra não é a melhor alternativa”, declara a psicóloga Ana Canosa, especialista em educação e terapia sexual pela Sbrash (Sociedade Brasileira de Estudos em Sexualidade Humana).

 

Ao aceitar o que está sentindo, fica mais fácil lidar com o assunto. Mas, antes de decidir entre se declarar ou seguir em frente com a relação como está (ou virar a página), reflita. Para Ana, se houver certeza de que oficializar o relacionamento não é viável, não há necessidade de expor o que está sentindo. “O amor é um sentimento que nasce da relação com o outro. Por isso, ao parar de alimentá-lo, a chance de que esse sentimento diminua é grande”, explica.

Mas se houver alguma chance, mesmo que remota, de um relacionamento fixo engrenar, Ana Canosa aconselha a mergulhar de cabe $!$render-component.split('/')[$math.sub($render-component.split('/').size(), 1)]

Como se declarar

Se a decisão for contar sobre os seus sentimentos ao outro, não seja tão objetivo. Quem vai direto ao ponto pode assustar o parceiro sexual. Demonstre o que está sentindo aos poucos e perceba como o outro reage. Uma maneira de fazer isso é mostrar interesse em realizar outras atividades com o par, que não envolvam apenas o sexo. “É o caso de sugerir um jantar, teatro ou cinema", exemplifica Guimarães.

Ter disposição para discutir os problemas e as dificuldades do dia a dia e propor programas para promover a aproximação de amigos mais íntimos ou familiares também são boas formas de indicar ao companheiro que você tem interesse em algo mais sério. Nessas oportunidades, será possível, ainda, checar se ele está ou não na mesma sintonia.

Se esses sinais não forem compreendidos, a conversa franca deverá ser considerada. O único cuidado, de acordo com a psicóloga Clarisse Mosmann, professora do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Unisinos, é escolher o momento ideal para abordar o assunto.

"Em hipótese alguma discuta a questão quando a pessoa está com pressa ou por telefone. O ideal é falar pessoalmente e quando ela está, de fato, disponível para escutar”, afirma. Agora, se o companheiro não der a menor chance para a conversa acontecer, esse já é um bom indicativo de que ele não está a fim.

$!$render-component.split('/')[$math.sub($render-component.split('/').size(), 1)]

Quando é hora de partir para outra

Se, ao final da conversa, o parceiro sexual deixar claro que não tem o intuito de levar a relação para outros rumos, os especialistas aconselham colocar um ponto final e partir para outra. “O desejo ignora a razão, mas é preciso levar em conta que a possibilidade de se magoar existe, mesmo sabendo que não há nenhuma promessa de envolvimento”, declara o psicólogo Aurélio Melo, professor da Universidade Presbiteriana Mackenzie.

Para o psicólogo Roberto Mendes Guimarães, levar a relação adiante após ouvir um não é bastante arriscado. Isso porque, assim como o par pode reavaliar a possibilidade de algo mais sério no futuro, ele pode desistir da relação casual mais para a frente. “É claro que há 50% de chances de dar certo e 50% de chances de que os planos não saiam conforme o planejado. Mas, depois que alguém já disse não uma vez, a possibilidade de dizer sim no futuro diminui. É bom ter isso em mente, para não se machucar”, diz o especialista.
 

Topo