Vida no trabalho

Conheça os sete tipos de chefe que mais desmotivam os funcionários

Getty Images
Um dos chefes que mais desanima funcionários é o mal-educado imagem: Getty Images

Andrezza Czech

do UOL, em São Paulo

Uma das principais funções de um bom chefe é fazer com que seus funcionários se sintam motivados. Mas, infelizmente, nem sempre isso acontece. "Alguns não estão preparados para assumir uma equipe. Tentam se autoafirmar impedindo que os funcionários cresçam e se fortalecem maltratando os subordinados", afirma Ana Cristina Limongi-França, professora do departamento de administração da FEA-USP (Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo), coordenadora da FIA-USP (Fundação Instituto de Administração da Universidade de São Paulo) e do Núcleo de Gestão da Qualidade de Vida no Trabalho. Veja, a seguir, quais os chefes que mais desmotivam a equipe e aprenda a lidar com eles.

O competidor

Em vez de estimular a equipe para que todos possam atingir melhores resultados, esse tipo de chefe tem pavor de ser superado e acaba assumindo uma postura de competidor. Segundo a professora Renata Magliocca, do Progep (Programa de Estudos em Gestão de Pessoas) da FIA-USP, muitos gestores têm medo de perder seu lugar e, com isso, acabam querendo todas as atenções para si. "É como se só ele pudesse aparecer. Se um funcionário deu uma ideia, ele a repassa para os superiores sem dar os créditos", diz. Para a mestre em administração Daniela do Lago, professora de cursos de MBA da FGV (Fundação Getúlio Vargas), o bom chefe é aquele que faz todos avançarem. "Ele precisa entender que sua função é cooperar", afirma. Para lidar com o chefe competidor, segundo Daniela, a melhor maneira é se mostrar parceiro dele. Dessa forma, ele tende a se sentir menos ameaçado.

O indeciso

Ele passa uma tarefa diferente a cada dez minutos e tudo $!$render-component.split('/')[$math.sub($render-component.split('/').size(), 1)]

O controlador

Você mal começou a executar a tarefa que lhe foi pedida e ele já vem perguntar sobre o andamento do trabalho. De tempos em tempos, mesmo longe do prazo de entrega, ele o interrompe para perguntar o que você está fazendo. E, em uma reunião com os superiores, faz questão de sempre estar presente. Chefes ansiosos e controladores desmotivam a equipe, segundo a professora Ana Cristina. "Esse comportamento revela despreparo e imaturidade. É alguém que não tem noção de liderança", afirma. Daniela do Lago diz que para lidar com a cobrança excessiva, o segredo é conversar. "Pergunte quantos dias antes ele gostaria de checar o andamento do trabalho. Isso o deixará mais tranquilo e evitará cobranças o tempo todo", diz.

O ausente

Você quase não o vê, não sabe o que ele espera e ele mal sabe qual é a sua função na empresa. Algo pode ser mais desmotivador do que isso? "É melhor um chefe chato, que pega no pé, a um chefe ausente", diz a professora Ana Cristina Limongi-França. Para a mestre em administração Daniela do Lago, gestor deve estar sempre presente. "Ele precisa dar boas condições para que as pessoas trabalhem bem", afirma. Para lidar com este tipo de gestor, segundo ela, a solução é bater à porta dele, pedir um retorno sobre seu desempenho e perguntar se há algo a mais que você possa executar. Isso deverá fazer com que ele tenha mais atenção com a equipe.

O crítico

Ele veta qualquer inovação, acha que tudo sempre dará errado e desmerece o que é diferente do que ele pensou. "Isso desmotiva. Ele deve considerar o que time tem a dizer", diz Daniela do Lago. Segundo Renata Magliocca, o chefe pode agir dessa forma por ter medo de correr riscos ou por ser pessimista. "Ser avesso a inovações é um problema. Cada vez mais as empresas querem alguém capaz de trazer novidades", afirma. Para contornar a situação, tenha paciência. Defenda suas ideias e pergunte o que ele acha que pode dar errado. Há, também, casos em que o chefe critica a equipe a ponto de falar mal dela para seus superiores. É o tipo que leva as glórias pelos acertos do time, mas culpa os funcionários por todos os erros. "A função do líder é corrigir e buscar a excelência. Se a equipe foi incompetente, a culpa é do chefe. Foi ele quem os escolheu", diz Daniela. "Pontuar e celebrar os acertos também é importante. Não se pode agir como se a equipe não tivesse feito mais do que a obrigação".

$!$render-component.split('/')[$math.sub($render-component.split('/').size(), 1)]

O insensível

Você está passando por uma enorme crise na vida pessoal e o chefe nem se esforça para compreender por que sua produtividade está prejudicada. Esse é o tipo de gestor que, por mais grave que seja o motivo, não vai deixá-lo sair um pouco mais cedo para resolver um problema. "O líder tem de ponderar. Um funcionário pode estar passando por um momento pessoal ruim, como um divórcio, por exemplo, e isso refletirá na produtividade”, afirma a professora da FGV Daniela do Lago. Nesse caso, resta conversar com o chefe, explicar toda a situação e torcer para que ele tenha um pouco de bom senso

O mal-educado

Quando o chefe dá ordens e distribui tarefas com grosseria, ironia ou menosprezo, não há quem tenha motivação para trabalhar. "Ele acaba afastando o time dele. As pessoas passam a ter medo de compartilhar qualquer coisa", afirma Renata Magliocca. Para Ana Cristina Limongi-França, esse é um comportamento de chefes despreparados (e mal-educados, claro). "Ele pode ter sido instruído para agir assim ou repetir o que observou em seus próprios líderes. É perigoso, pois pode chegar a ser assédio moral", diz. Para lidar com ele, segundo Daniela do Lago, mostre que você se sente desrespeitado. "Pergunte se é possível que ele não fale com você dessa forma. Se ele se recusar a mudar, você tem duas opções: aceitar a situação ou começar a buscar outro emprego", diz. Denunciar o abuso do chefe no RH também é uma alternativa. Se a empresa for séria, investigará o caso sem que você perca seu emprego. 

Topo