Comportamento

'Barbie humana' com distrofia muscular diz por que ama sua doença

Reprodução/News Dog Media
Amber diz que os sintomas a deixam ainda mais parecida com a boneca imagem: Reprodução/News Dog Media

Do UOL, em São Paulo


A americana Amber Guzman, 28 anos, da Califórnia, nos Estados Unidos, tem distrofia muscular e contou que aprendeu a amar os sintomas da doença, pois, segundo ela, a fazem parecer uma "Barbie humana". O distúrbio é uma condição genética --sem cura-- e que enfraquece progressivamente os músculos. As informações são da versão on-line do jornal britânico "Daily Mail".

Apesar de todas as dificuldades --ela é incapaz de engolir, por exemplo--, Amber disse que não se importa com a sua condição porque ama as comparações sobre se parecer com a boneca. Sua aparência e o jeito de falar e andar renderam milhares de admiradores nas redes sociais.

Reprodução/News Dog Media
Em oito meses, ela alcançou 10 mil seguidores nas redes sociais imagem: Reprodução/News Dog Media

"É o que eu realmente sinto que sou agora, uma boneca viva. E não é só a minha aparência, pois, fisicamente, assim como uma Barbie, preciso de ajuda para me locomover", afirmou ao "Daily Mail".

Em 2012, após ouvir o diagnóstico de distrofia muscular e achar que tinha recebido sua sentença de morte, a americana, que já fazia sucesso por sua beleza, decidiu fazer vídeos e fotos para divulgar nas redes sociais. Em oito meses, Amber alcançou cerca 10 mil seguidores.

Reprodução/News Dog Media
Amber começou a se vestir no estilo 'dolly' com perucas e lentes de contato imagem: Reprodução/News Dog Media

"Comecei a me vestir no estilo 'dolly' (boneca, em tradução livre) com perucas e lentes de contato. Alguns fãs escrevem para mim me dizendo que se sentem inspirados, pois também uso meus vídeos para aumentar a consciência a respeito da distrofia muscular e mostrar que há uma vida após um diagnóstico como esse", contou ao jornal britânico.

A americana acredita que o distúrbio faz dela a verdadeira 'Barbie humana'. "Eu acho que muitas das outras 'Barbies humanas' são rudes e, na verdade, para ser uma boneca, é preciso ser doce e gentil. Não há ninguem como eu".

Topo