Comportamento

Karezza é técnica que propõe sexo sem orgasmo; você toparia?

Leo Gibran/UOL
Método busca explorar mais o potencial de prazer do que o sexo convencional imagem: Leo Gibran/UOL

Thais Carvalho Diniz

Do UOL, em São Paulo

Você já se imaginou fazendo sexo com o objetivo de não gozar? Essa é a ideia do Karezza, método que busca prolongar o ato sexual valorizando o afeto entre o casal, mas sem orgasmo. Carícias, sexo oral e penetração são permitidos, mas se sentir que está chegando “lá”, pare e recomece.

A técnica originou-se do tantra, prática hinduísta, e o termo foi cunhado pela obstetra norte-americana Alice Stockham, no final do século 19. A diferença entre as duas práticas sexuais, segundo o mestre Victor Lino, diretor da escola Prakriti Yoga, em São Paulo, é que, no tantra, os orgasmos são permitidos.

$!$render-component.split('/')[$math.sub($render-component.split('/').size(), 1)]

Karezza vem da palavra italiana "carezza", que significa carícia e, apesar de antiga, não é muito conhecida no Brasil. "A população do Ocidente não consegue mudar o padrão de busca pelo orgasmo. O sexo, na maioria das vezes, serve como um tipo de descarga e, consequentemente, termina com o clímax", afirma o psicólogo Oswaldo Martins Rodrigues Jr., terapeuta sexual e diretor do Inpasex (Instituto Paulista de Sexualidade).

Esse tipo de sexo não permite chegar ao ápice do prazer para evitar a exaustão corporal --e energética-- e o fim do momento a dois rapidamente. "A busca pelo orgasmo virou uma obsessão. Em todos os lugares, é possível encontrar fórmulas para 'chegar lá'. Nada contra uma rapidinha, mas ter disposição para surpreender e prolongar as sensações de prazer é algo que enriquece a relação e as descobertas sexuais", declara a terapeuta sexual Margareth dos Reis.

Além disso, Rodrigues Jr. diz que, com o tempo, a prática pode ser grande aliada de homens que sofrem com a ejaculação precoce, por exemplo, e outras disfunções sexuais. “Técnicas semelhantes têm sido utilizadas nos últimos 60 anos para tratamento de modo a validar a ideia que o prazer não depende do orgasmo”, diz o especialista, alertando que ainda não existem estudos a respeito.

Qualquer casal pode praticar e é importante frisar que os adeptos do Karezza também podem ter relações com orgasmo --uma experiência não impede a outra. "Pares com vínculo afetivo aproveitarão mais esse tipo de experiência, que exige muita dedicação. Toda e qualquer técnica erótica é positiva para um casal, mas confiança e igualdade de objetivos são requisitos básicos para a eficiência do método. Ambos precisam estar dispostos", afirma Oswaldo Martins Rodrigues Jr., do Inpasex.

$!$render-component.split('/')[$math.sub($render-component.split('/').size(), 1)]

Por mais difícil que possa parecer, o Karezza tem benefícios, como resgatar o desejo de relações aparentemente fracassadas sexualmente e ampliar o autoconhecimento físico e sexual. "Com o passar do tempo, os casais abandonam a dedicação ao outro e essa é uma técnica que investe na manutenção erótica da vida a dois. Na maioria dos casos, em relacionamentos longos, o momento da transa se torna algo automático e sem intimidade. A finalidade do Karezza é reverter essa situação, explorando a aproximação entre as pessoas e, assim, recuperar o carinho e a sedução", diz a terapeuta sexual Margareth dos Reis.

A afirmação da especialista é comprovada pela experiência de Carlos Camacho, 58 anos. Aposentado, o brasileiro vive na Escócia e conheceu o método na Europa. Segundo ele, que se relaciona com uma mulher que mora no Brasil, a técnica os faz sentir-se mais conectados do que o sexo comum. 

"Conheço casais europeus que tiveram o desejo revitalizado após começarem a praticar. Amigos que pensavam não sentir mais nada pelo par descobriram novidades com o Karezza, novas inspirações e recuperaram os relacionamentos. É uma experiência incrível e que pode durar horas a fio", afirma.

Para quem acredita que a relação esfriou entre quatro paredes, o Karezza traz novidades. "As pessoas aprendem a variar o ritmo e a conduzir uma excitação que não alcance o clímax. Os movimentos nesse tipo de sexo precisam ser mais suaves e as posições e toques menos intensos. A atividade vai acumular e fazer crescer a energia sexual, deixando o casal ainda mais excitado e com disposição para curtir o sexo a dois mais vezes", fala a terapeuta sexual Margareth dos Reis.

E completa: "Para os homens talvez seja mais difícil identificar o momento de pausa no início da prática. Mas, ao prestar atenção no processo de excitação, você consegue estender o prazer por mais tempo, o que, na verdade, é o desejo de todos”.

Topo