Comportamento

Ao se masturbar, mulher conhece o próprio corpo e o caminho para o orgasmo

I Feel Myself/Divulgação
O site I Feel Myself mostra mulheres comuns (imagem cortesia de www.ifeelmyself.com) imagem: I Feel Myself/Divulgação

Yannik D´Elboux

Colaboração para o UOL

“A masturbação é importante para saber ter prazer, melhorar a autoestima e a saúde”, afirma o ginecologista Gustavo Maximiliano Dutra da Silva, professor de ginecologia e medicina sexual da Universidade São Francisco, em Bragança Paulista (SP). A opinião do especialista sobre a prática é compartilhada por outros tantos profissionais de saúde, mas a despeito disso somente de 10% a 15% das brasileiras têm como hábito ter prazer sozinhas.

Entre as que nunca se masturbaram, a porcentagem é alta: de 35% a 40%, conforme a idade, sequer experimentaram. Esses dados são da pesquisa sobre sexualidade “Mosaico Brasil”, de 2008, conduzida pela psiquiatra Carmita Abdo, coordenadora do Prosex (Programa de Estudos em Sexualidade), ligado à USP (Universidade de São Paulo), que tem se dedicado a novos estudos acerca do tema. “Enquanto os homens que não se masturbam no Brasil não passam de 3% a 4%, por outro lado, é dez vezes maior a população de mulheres que nunca se masturbou”, declara Carmita.

Muitos são os fatores que ajudam a entender porque a masturbação feminina permanece como um terreno desconhecido para parte considerável da população, apesar da crescente liberdade sexual.

Historicamente, o sexo foi por muitos anos associado exclusivamente à reprodução, sobretudo para a mulher. “Sofremos os resquícios dessa repressão”, diz Maria Claudia Lordello, coordenadora de psicologia do Projeto Afrodite do Ambulatório de Sexualidade Feminina, da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo).

Existe também a influência do amor e do romantismo no comportamento das mulheres. Muitas só conseguem vislumbrar a satisfação sexual a dois. “A sexualidade está totalmente restrita à relação com o parceiro”, afirma Maria Claudia.

É bom e faz bem

A mulher que não se masturba tem mais dificuldade de sentir prazer e chegar ao orgasmo. “Esse é um dos fatores que faz com que as mulheres tenham algum tipo de disfunção sexual”, afirma Maria Claudia Lordello. Segundo a psicóloga, entre as pacientes que procuraram atendimento no Projeto Afrodite em 2014, para tratar algum problema sexual, 56,3% nunca se masturbaram.

Além dos benefícios para a vida sexual --como tornar mais fácil pedir ao parceiro o que funciona para estimulá-la--, Maria Claudia fala que a prática é essencial para despertar a atenção com os cuidados e a higiene da região íntima.

“Vemos muitas no dia a dia que não conhecem a anatomia da própria vagina, onde é o clitóris, por onde sai a urina, a menstruação”, conta o ginecologista Gustavo Maximiliano.

Mais estímulo na rede

Apesar das dificuldades que ainda existem, o tabu e a falta de conhecimento sobre a masturbação feminina vêm diminuindo, inclusive por influência da internet e de iniciativas cada vez mais frequentes que valorizam o prazer da mulher.

Alle Manzano/Divulgação
Imagem da fotógrafa Alle Manzano imagem: Alle Manzano/Divulgação

Na rede, já é possível encontrar conteúdos que mostram o prazer feminino solitário por outros ângulos, além daqueles usualmente produzidos para agradar ao público masculino.

O site australiano de conteúdo adulto I Feel Myself, por exemplo, convida mulheres comuns a se masturbarem em frente às câmeras. A única exigência, explica Richard Lawrence, criador da plataforma que existe desde 2006, é que elas tenham um orgasmo como experimentam em casa.

Lawrence diz que a proposta do site consiste em mostrar a masturbação feminina de uma maneira natural, diferente do que se costuma ver no pornô voltado para a audiência masculina.

Segundo ele, 90% das participantes, que recebem pagamento pelo material, estão fazendo isso em vídeo pela primeira vez.

O australiano conta que as mulheres que veem o site gostam de descobrir que outras compartilham experiências semelhantes às suas. “E elas aprendem novas formas de se dar prazer”, diz.

A valorização da sexualidade feminina também é o foco do trabalho da fotógrafa Alle Manzano, de São Paulo. No ano passado, ela lançou a exposição “Lendo-me”, com imagens de 15 mulheres nuas, em momentos de intimidade, e poemas de Fábio Chap. “A intenção é fazer com que as mulheres se amem e se explorem. Elas têm de se conhecer primeiro para depois se renderem a alguém”, fala.

Topo