Sexo

Dá para ter 50 orgasmos por noite como Thalía? Fomos investigar

Reprodução/Facebook
A cantora e atriz mexicana Thalía causou polêmica ao creditar sua beleza ao fato de ter 50 orgasmos por noite imagem: Reprodução/Facebook

Do UOL, em São Paulo

A cantora e atriz mexicana Thalía afirmou durante uma entrevista que o segredo de sua beleza e juventude, aos 44 anos, é ter 50 orgasmos em uma noite. A declaração deu o que falar, não só por atribuir a beleza ao prazer sexual, mas pela quantidade de vezes que ela afirma chegar ao clímax. De acordo com as especialistas ouvidas pelo UOL, é possível, sim, ter 50 orgamos em uma noite.

O relato de Thalia descreve os orgasmos múltiplos, que acontecem quando você chega ao primeiro clímax e não para de ser estimulada, seja com a penetração, com a boca ou com a mão. Diferente do homem, a mulher não precisa do período refratário (o tempo de pausa), por isso, não há limites para os orgasmos que podem ser alcançados em uma única noite.

“Normalmente, o ciclo da resposta sexual segue as fases de desejo, excitação e orgasmo, sendo este último seguido por um período de relaxamento da musculatura pélvica. No caso dos orgasmos múltiplos, a mulher não entra nessa fase de relaxamento total e continua tendo as contrações e os orgasmos. E, para isso, basta que continue sendo estimulada e que siga focada no sexo”, explica a ginecologista Mariana Halla, do Hospital e Maternidade São Luiz, em São Paulo.

Mas os orgasmos múltiplos não costumam despertar o mesmo prazer do orgasmo único. “Eles costumam ser mais curtos e menos intensos”, diz Mariana. E como um orgasmo dura poucos segundos --nas mulheres, entre dez e 20 segundos--, sentir muitos pode não ser tão demorado quanto se imagina.

No entanto, para a ginecologista Glene Rodrigues, especializada em educação e terapia sexual pela SBRASH (Sociedade Brasileira de Estudos em Sexualidade Humana), é difícil dizer se os 50 orgasmos sentidos pela cantora mexicana são reais. “Ela pode ter tido 50 sensações muito prazerosas, que foram tão intensas que se pareciam com o orgasmo”, diz. Além de uma grande sensação de prazer físico, durante o orgasmo, a mulher sente contrações involuntárias na musculatura vaginal, que podem ser fortes ou suaves.

Quando vivenciados, os orgasmos contribuem, sim, com a beleza. “Descargas de dopamina e outros neurotransmissores, durante o clímax, levam ao bem-estar, melhoram a qualidade do sono e diminuem o estresse, o que realmente pode deixar a pele mais bonita e o corpo mais disposto”, diz Mariana.

Getty Images

Treinar é possível

De acordo com as especialistas, toda mulher pode ter orgasmos múltiplos, desde que conheça bem o próprio corpo, tenha bom entrosamento com o parceiro e equilíbrio hormonal, o que garante a libido e a lubrificação. “O caminho é continuar o estímulo logo após atingir o primeiro orgasmo e não parar conforme os outros forem sentidos. O tempo entre um orgasmo e outro fica bem mais curto e, assim, é possível atingir quantos orgasmos a excitação e a energia individual permitirem”, explica a sexóloga Quetie Mariano Monteiro, do Ambulatório de Medicina Sexual do Hospital Peróla Biyngton, em São Paulo.

Sentir vários orgasmos na sequência também é possível com a masturbação –seja com o estímulo do clitóris ou com a introdução de massageadores vaginais ou o próprio dedo. “Para as mulheres que têm conhecimento do próprio corpo e gostam de se masturbar, às vezes, é até mais fácil chegar ao clímax dessa forma”, diz Quetie.

Exercícios para o assoalho pélvico, chamados de exercícios de Kegel (criados pelo médico norte-americano Arnold Kegel), também ajudam a chegar lá, pois permitem controlar melhor os músculos da região íntima. A mesma prática é usada por quem tem incontinência urinária e até por homens que querem combater a ejaculação precoce.

Só é preciso ter em mente que, no sexo, quantidade não é mais importante do que qualidade. Se estiver satisfeita com um orgasmo único, não há porque correr atrás de múltiplos. “É muito importante saber os seus limites, o que está buscando e a quem está querendo agradar”, diz a sexóloga.

Topo