Sexo

Ejacular não é a mesma coisa que ter orgasmo; entenda a diferença

Getty Images
Além de serem processos distintos, a ejaculação e o orgasmo não dependem um do outro para ocorrer imagem: Getty Images

Luciana Mattiussi

Colaboração para o UOL

Quando se fala sobre prazer sexual masculino, muita gente acredita que orgasmo e ejaculação são a mesma coisa. Afinal, eles estão intimamente ligados e acontecem simultaneamente com frequência. Os especialistas, no entanto, alertam que são fenômenos distintos. Por isso nem sempre o homem que ejacula tem prazer. Assim como também é possível sentir prazer sem ejacular. 

“O orgasmo é uma experiência sensorial relacionada ao clímax do ato sexual, ao passo que a ejaculação é a expulsão ou emissão do líquido seminal. É bastante comum que sejam confundidos, pois, na maioria das vezes, ocorrem simultaneamente”, afirma o urologista Guilherme Leme de Souza, do Hospital Albert Einstein, em São Paulo.

O urologista e cirurgião geral Daniel Luiz Paulillo, membro da Sociedade Brasileira de Urologia, destaca ainda que, enquanto o orgasmo é um processo neurofisiológico com liberação de serotonina (substância neurotransmissora), culminando com sensação de prazer, a ejaculação é um fenômeno mecânico. “Há contração da musculatura pélvica e a eliminação do conteúdo espermático pela uretra.”

Além de serem processos distintos, a ejaculação e o orgasmo não dependem um do outro para ocorrer.

“Ter orgasmo sem ejacular é uma situação possível e não rara. Os homens que precisaram remover a próstata cirurgicamente, por exemplo, não terão mais a ejaculação, uma vez que esse órgão é o responsável pela produção do líquido seminal”, diz José Bento de Souza, ginecologista do Hospital Albert Einstein.
Como a próstata não tem papel na ocorrência do orgasmo, ele pode acontecer naturalmente e recebe o nome de anejaculação ou orgasmo seco.

A falta de ejaculação pós-orgasmo também é mais comum em portadores de diabetes, hipertensão e em quem utiliza medicamentos antidepressivos. Mas mesmo os homens ditos saudáveis podem atingir o clímax e não gozar.

Fato nada incomum

“Se o homem estiver muito cansado, estressado ou não se alimentou direito durante o dia, não é incomum ele chegar ao fim da transa sem ejacular, mesmo que tenha sentido um prazer intenso. E isso não quer dizer que ele tenha algum problema”, afirma Marcelo Bernstein, psicanalista com especialização em sexualidade humana pelo Centro de Estudo e Pesquisa do Hospital Pérola Byington, também na capital paulista.

Os homens que já passaram ou passam esporadicamente pela experiência de ter orgasmo sem ejacular não precisam se preocupar.

“O machismo ainda é muito forte no Brasil. Existe a crença de que orgasmo e ejaculação são a mesma coisa e estão diretamente relacionados ao desempenho. Então, quando não ejaculam, muitos homens entram em parafuso. Entretanto, gozar não é sinônimo de virilidade e não há com o que se preocupar se não for algo frequente”, fala  Bernstein. A procura por ajuda só se torna necessária quando a ocorrência se torna frequente.

O contrário –ejacular sem sentir prazer– também pode acontecer sem necessariamente ser um problema, como durante a polução noturna (ejaculação involuntária que acontece durante o sono). Mas pede acompanhamento de um especialista quando a causa é ejaculação precoce. “Muitas vezes, o homem ejacula tão rapidamente que não chega ao clímax. Nesse caso, o melhor é consultar um urologista para orientações e tratamento adequado”, fala Paulillo.

O nome desse fenômeno é anorgasmia ou ausência de orgasmo. Segundo o especialista do Einstein, a causa mais frequente para essa condição é o uso inadequado de determinadas drogas antidepressivas.

Topo