Comportamento

Você é carente?

thinkstock
imagem: thinkstock

Faça o teste elaborado com a consultoria do psicólogo Marcelo Quirino, da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), e descubra se a sua necessidade de ser amado é natural ou passa dos limites.

  1. 810

    Qual é o seu maior medo na vida?

    thinkstock
  • thinkstock
    [[pts]] de 60 pontos

    Supercarente

    Não dá para negar, você é totalmente dependente do outro e sente muita necessidade de ser amado. 'O carente geralmente é alguém inseguro, que tem medo de perder o parceiro e, por isto, realiza todos os desejos do outro', descreve o psicólogo Marcelo Quirino, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). O problema de ser assim é que você se anula, ou seja, deixa de fazer as suas vontades por medo de desapontar o parceiro. O primeiro passo para virar este jogo é assumir a responsabilidade pela sua própria felicidade, em vez de esperar que o outro o faça feliz.

  • thinkstock
    [[pts]] de 60 pontos

    Carente casual

    Você é independente do seu amor na maior parte do tempo, mas vez ou outra sofre do que os especialistas chamam de carência eventual. 'É quando você passa por um momento específico da vida se sentindo só e com uma necessidade maior de amar e de ser amado. Esta carência é algo que todos já tivemos', diz o psicólogo Marcelo Quirino, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Só fique atento para não se deixar levar por este sentimento. Tenha em mente que nem sempre é possível agradar ao outro e que a sua felicidade deve estar em primeiro lugar.

  • thinkstock
    [[pts]] de 60 pontos

    Bem-resolvido

    Não é que você nunca tenha se sentido carente, mas provavelmente aprendeu a lidar com esse sentimento muito bem. O seu grande trunfo é se valorizar e ser fiel aos seus propósitos. Afinal, você sabe que ser feliz sozinho é o primeiro passo para construir um relacionamento saudável. Apenas uma dica: tente não se irritar quando o seu parceiro, vez ou outra, se mostrar mais dependente ou inseguro. 'Cada ser humano tem necessidades diferentes de afeto e isso pode variar ao longo da vida', reforça o psicólogo Marcelo Quirino, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

  • [[pts]] de 60 pontos
Topo