Relacionamento

Sua natureza é monogâmica ou poligâmica?

Você é feliz e se satisfaz com um único relacionamento? Reflita sobre a questão, fazendo o teste elaborado com a consultoria do psicólogo Diego Henrique Viviani, docente do Inpasex (Instituto Paulista de Sexualidade).

  • Getty Images

    Tudo ao mesmo tempo agora

    O poligâmico, ao pé da letra, é a pessoa que mantém vários casamentos ao mesmo tempo, condição que, no Brasil, não é admitida pela lei. Porém, se a nossa cultura e sociedade aceitassem essa prática, você seria capaz de se encaixar nesse modelo, sem problemas. Isso porque, no seu dia a dia, você tem facilidade de se envolver em diversos relacionamentos ao mesmo tempo. Faz isso para exercitar a sua liberdade e, da mesma forma, não quer tolher a individualidade do outro, motivo pelo qual não se acha no direito de exigir exclusividade. Mas vale o alerta do psicólogo Diego Henrique Viviani. "A relação com várias pessoas ao mesmo tempo também apresenta desafios, tanto quanto a relação monogâmica. É importante ter flexibilidade para superar essas possíveis dificuldades, incluindo o julgamento social".

  • Getty Images

    Ainda não se encontrou

    Você é o tipo de pessoa que separa sexo de amor. Acredita que só é possível envolver-se profundamente com uma pessoa de cada vez, mas pratica o sexo sem compromisso com diversos parceiros, quando aparecem boas oportunidades. O único cuidado é você questionar a si mesmo sobre o nível de satisfação com a vida que está levando. Você tem a opção de manter relações exclusivas e, assim, se livrar da culpa por não estar sendo 100% sincero com o par. Mas também pode investir em relações abertas, em que possa ter e oferecer mais liberdade ao outro, a partir de uma decisão tomada em conjunto. "A relação poligâmica só acontece quando há o consentimento de todas as partes envolvidas. Se há uma terceira pessoa na história, mas esse romance não é reconhecido, então, na nossa sociedade, ela será vista como amante", explica o psicólogo Diego Henrique Viviani.

  • Getty Images

    Um é pouco e dois é bom

    Sua natureza é monogâmica. E mais: você é adepto do amor romântico. Acredita que a união de duas pessoas vai muito além do sexo e pode proporcionar crescimento pessoal a ambos, principalmente se a relação for marcada por respeito, afeto, admiração e lealdade. Mas vale a ressalva do psicólogo Diego Henrique Viviani: "O romantismo pode tanto melhorar quanto prejudicar uma relação. O ciúme, por exemplo, não é propriamente amor, mas uma apresentação distorcida desse sentimento. Da mesma forma, uma relação sem liberdade individual, sem condições que permitam ao outro ir e vir, pode se tornar algo extremamente destrutivo e, nesse sentido, é necessário que se tenha discernimento".

  • Getty Images

    Fez sua escolha, mas não está feliz

    Você se posiciona como um monogâmico, busca estabelecer uma única relação por vez e preza a fidelidade, entendida como a exclusividade na relação e, inclusive, no sexo. Assim, ignora os próprios desejos, tanto quanto possível, e espera que o parceiro faça o mesmo. No entanto, sofre com essa escolha. Pode ser que você tenha perdido o interesse pelo parceiro. Mas também pode ser o caso de avaliar o modelo de relacionamentos que vem adotando. "Uma pessoa que tende a ser poligâmica e escolhe ser monogâmica terá que assumir o seu papel e se, por algum motivo, quiser sair desse modelo, terá de lidar com suas escolhas e com as escolhas de quem está envolvido, pois o outro terá o direito de decidir se quer ou não participar dessa outra prática", alerta o psicólogo Diego Henrique Viviani.

Topo