Comportamento

Você desconta as suas emoções na comida?

Getty Images
imagem: Getty Images

Descubra se você busca consolo no prato com o teste elaborado com a colaboração do psiquiatra Adriano Segal, do Ambulatório de Obesidade e Síndrome Metabólica do Hospital das Clínicas da USP (Universidade de São Paulo)

  • Getty Images

    Sim, você come compulsivamente

    Suas respostas indicam que, na alegria ou na tristeza, você sempre desconta as emoções na comida. A justificativa para isso, de acordo com o psiquiatra Adriano Segal, é que comer promove sensação de prazer e conforto. Mas, quando se torna uma compulsão, a alimentação prejudica a saúde. Para driblar o impulso, evite ficar muito tempo de estômago vazio, dificulte o acesso às guloseimas, coma devagar e controle os ânimos antes de se alimentar

  • Getty Images

    Sim, mas consegue se controlar

    Você se dá o direito de comer uma guloseima quando algo não sai conforme o esperado, para acalmar os ânimos, mas sabe que não pode abusar. Ter essa consciência é fundamental para que o hábito não se torne uma compulsão. "Perceber que aumenta a ingestão de alimentos quando o estado emocional se altera é o primeiro passo para conseguir controlar o comer emocional', afirma o psiquiatra Adriano Segal

  • Getty Images

    Não, você lida bem com as emoções

    Suas respostas indicam que, quando está com os ânimos à flor da pele, gosta de tirar um tempo para si até a poeira baixar. Segundo o psiquiatra Adriano Segal, essa é uma boa forma de não se deixar levar pelo impulso de descontar as emoções na comida. "Fazer exercícios, sair para esfriar a cabeça antes de comer ou ler um livro, por exemplo, são maneiras de extravasar as emoções sem prejudicar a própria saúde", diz o especialista

  • Getty Images

    Não, você guarda as emoções para si

    Quando está irritado ou extremamente feliz, você sequer pensa em comida. Por outro lado, também não cogita dividir seus sentimentos com alguém, o que pode exigir um grande autocontrole da sua parte. Ao escolher levar a vida dessa maneira, o conselho do psiquiatra Adriano Segal é buscar atividades em que consiga relaxar. "Dê-se o direito de desfrutar uma boa noite de sono, tire férias e pratique atividades físicas. O lazer em geral é muito bom para a saúde", diz o especialista

Topo