Comportamento

Você sabe superar o fim de um amor?

Getty Images
imagem: Getty Images

Avalie-se, respondendo ao teste elaborado com a consultoria de Bruna Seibel, psicóloga pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul e terapeuta na área de família e casal

  1. 310

    O que você sente quando pensa no "ex"?

    Getty Images
  • Getty Images

    Sofre, mas supera

    Sim, suas respostas indicam que você sabe lidar com a dor e superar o término de uma relação, mesmo que isso dure um tempo, o que é normal. Fica o aprendizado. "Toda relação proporciona aprendizados, mesmo as mais dolorosas. Colocar na balança o que foi aprendido, reciclando o que pode ser mudado, parece ser o melhor jeito de lidar com o fim de um relacionamento", diz a psicóloga Bruna Seibel

  • Getty Images

    A culpa é do outro

    Suas respostas sugerem que você tende a culpar o outro pelo fim da relação. Assim, vê-se inundado por uma mistura de sentimentos, como tristeza e raiva. Talvez, inconscientemente, sinta-se incompleto sem a presença daquele que partiu. Refletir sobre o que ocorreu, sem buscar culpados, pode ajudá-lo a seguir adiante

  • Getty Images

    Não suporta rejeição

    Suas respostas sugerem uma grande dificuldade em superar o término de um amor. "Algumas pessoas podem se mostrar mais dependentes em um relacionamento, com dificuldade de se sentirem bem sozinhas", afirma a psicóloga Bruna Seibel. Será que esse é o seu caso? Lembre-se de que as relações são fundamentais para a vida, mas a autonomia também é. Cultive a autoestima e não hesite em pedir ajuda a um terapeuta

  • Getty Images

    Pensa que sabe

    Suas respostas indicam que você não se permite chorar pelo leite derramado e, diante do término de uma relação, logo põe a fila para andar. Fazendo assim, acha que supera bem o fim de um relacionamento, não é? Mas será que a atitude não esconde uma dificuldade de lidar com a perda? "A busca por prazeres momentâneos pode ser uma tentativa de fuga da reflexão e a procura contínua por relacionamentos pode camuflar uma dificuldade de autonomia", afirma a psicóloga Bruna Seibel

Topo