Comportamento

Você é corrupto no seu dia a dia?

Getty Images
imagem: Getty Images

Faça o teste elaborado com a colaboração de Pedro Fassoni Arruda, professor de ciências sociais da PUC (Pontifícia Universidade Católica) de São Paulo e descubra

  1. 210

    Um amigo seu é influente e oferece para que você passe na frente de uma fila de mais de duas horas de espera em uma exposição. Você aceita?

    Getty Images
  • Getty Images

    Você precisa rever seus conceitos

    Suas respostas sugerem que você quer se dar bem em qualquer situação e não pensa duas vezes em driblar regras para obter algum privilégio ou benefício. Cuidado. Mesmo que você nunca seja punido, está colaborando para uma sociedade corrupta. "Muitas pessoas consideram que os fins justificam os meios, mas uma pequena corrupção pode gerar uma grande", diz o professor de ciências sociais Pedro Fassoni Arruda

  • Getty Images

    Você dá suas escorregadas

    Suas respostas indicam que você sabe discernir o certo do errado, e até se sente culpado quando fere a ética, mas é capaz de cometer pequenos atos de corrupção para se livrar de uma situação incômoda. Pense nisso na próxima vez que for criticar os políticos corruptos, por exemplo. "As pessoas tendem a aceitar as pequenas corrupções que cometem, mas criticam as dos outros. Existe um moralismo seletivo", diz o cientista social Pedro Fassoni Arruda

  • Getty Images

    Você pensa que não é corrupto

    Suas respostas indicam que você não vê problemas em pequenos atos para burlar o sistema nem identifica esse comportamento como corrupto. "As pessoas não se dão conta das corrupções do cotidiano porque elas são as beneficiárias. Existe uma tendência quase que natural em apontar o erro dos outros, mas não enxergar os próprios", afirma o cientista social Pedro Fassoni Arruda

  • Getty Images

    Você é incorruptível

    Você prefere perder boas oportunidades de "se dar bem" para manter sua integridade. E paga o preço que for necessário para dormir em paz com sua consciência. "Ao não se envolver com corrupção, dependendo do caso você pode até ter prejuízo econômico, mas não moral", afirma o cientista social Pedro Fassoni Arruda

Topo