Comportamento

Na crise, qual é o seu perfil?

Getty Images
imagem: Getty Images

Faça uma autoavaliação a partir do teste elaborado com a consultoria das psicólogas Marina Vasconcellos, terapeuta familiar e de casal pela Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), e Janaina Marize de Oliveira, psicóloga pela Universidade Paulista

  • Getty Images

    Pessimista

    Diante dos acontecimentos, a sua frustração e insegurança são tão grandes que você está perdendo a capacidade de reagir. "O pessimista deixa de tentar porque já se convenceu que vai dar errado, ele acha que nada mais vale a pena", diz a terapeuta Marina Vasconcellos. Além de fazer mal a você mesmo, esse comportamento pode afetar as pessoas que estão ao seu redor. "O pessimismo pode interferir tanto na vida pessoal quanto profissional, trazendo prejuízos", afirma a psicóloga Janaina de Oliveira

  • Getty Images

    Otimista

    Uma pessoa otimista leva a vida mais leve e pode sentir menos os impactos da crise. Porém, também pode pecar por não olhar com a devida seriedade e cautela para os problemas que surgem. "Por achar que tudo dará certo sempre, o otimista pode se colocar em situações de risco ou até desqualificar o sofrimento do outro", diz a terapeuta Marina Vasconcelllos. "Quando a situação se complica, ele recorre à ajuda de terceiros, o que nem sempre funciona", fala a psicóloga Janaina de Oliveira

  • Getty Images

    Indignado

    Você tem uma atitude realista e crítica diante da crise. O risco é focar toda a energia no que deseja combater, potencializando os aspectos negativos dos acontecimentos. "Em momentos de crise, é fundamental estar aberto a experimentar alternativas novas e a fazer a nossa parte para enfrentar os problemas", diz a terapeuta Marina Vasconcellos. "Algumas medidas emergenciais são reprogramar despesas, cortar supérfluos e investir os recursos economizados com critério", fala a psicóloga Janaina de Oliveira

  • Getty Images

    Determinado

    Você parece estar empenhado em manter o equilíbrio durante a crise e não descuida da vida pessoal, profissional ou mesmo da saúde, por piores que sejam as notícias políticas ou econômicas. Justamente por isso, consegue lidar melhor com os problemas. "Você entende que a crise pode ser um momento propício para refletir e buscar alternativas, saídas criativas para questões que parecem insolúveis. Trata-se de uma perspectiva interessante", afirma a terapeuta Marina Vasconcellos

Topo