Comportamento

Você é uma pessoa preocupada?

Getty Images
imagem: Getty Images

Você é uma pessoa que se inquieta facilmente? Descubra com o teste elaborado com a consultoria de Ana Licia Silveira dos Reis, psicóloga e life coaching pela Sociedade Brasileira de Coaching

  • Getty Images

    Cabeça fresca

    Suas respostas indicam que você não costuma se preocupar nem mesmo quando há motivos para isso. "Pessoas com essa postura talvez não tenham uma noção clara dos problemas que podem afetá-las, demonstrando certa alienação. Outra possibilidade é que tenham uma confiança plena e irrestrita nos desígnios da vida, abrindo mão de qualquer responsabilidade", diz a psicóloga Ana Licia Silveira dos Reis. Porém, segundo a especialista, o comportamento aumenta a exposição a riscos. "O melhor caminho é reconhecer a preocupação e buscar recursos para reduzi-la a partir do autoconhecimento", afirma

  • Getty Images

    Enfrenta os problemas

    Segundo a psicóloga Ana Licia Silveira dos Reis, a preocupação deve ser encarada como um alerta para algo que pode ter consequências indesejadas. E essa parece ser a sua postura, a de quem toma contato com o problema e imediatamente pensa em como minimizar os riscos, evitando que a situação piore. "A preocupação é saudável quando leva as pessoas a se conscientizarem a respeito de um desafio e a fazerem algo que esteja em seu campo de ação ou de influência para enfrentá-lo. Fora desse contexto, preocupar-se não tem função alguma e pode ser prejudicial", afirma a especialista

  • Getty Images

    Não toma atitudes práticas

    Quando a preocupação é obsessiva, um pensamento repetitivo e que não gera nenhuma providência prática, ela se torna prejudicial. Aparentemente é essa a sua postura diante dos desafios. "O excesso de preocupação atrapalha a clareza e a tomada de decisão. Assim, fica ainda mais difícil identificar os aspectos positivos da situação e aprender com ela", afirma a psicóloga Ana Licia Silveira dos Reis. O primeiro passo para mudar é assumir as suas responsabilidades. "Aja com os recursos que tem, não deixe para depois nem adie as soluções, pois isso aumenta o drama", afirma a especialista

  • Getty Images

    É excessivamente preocupado

    A preocupação é natural. Mas a forma de encará-la é que será o diferencial entre um comportamento saudável ou não. E você parece estar dando um peso excessivo aos problemas, tomando atitudes radicais para enfrentá-los, sem ponderar. 'O ideal é mapear tanto o potencial positivo quanto o negativo representado pelos desafios, agindo para minimizar os riscos e potencializar os ganhos', diz Ana Licia. Ela também aconselha aprender a lidar com o imponderável. 'Manter-se preocupado não aumenta o seu controle sobre a situação', afirma a especialista

Topo