Comportamento

Como você lida com os grupos do WhatsApp?

Getty Images
imagem: Getty Images

Atualmente, é raro quem não tenha esse aplicativo, mas como você se comporta ao utilizá-lo? Descubra a partir do teste elaborado com a colaboração de Carlos Pimentel, professor de psicologia da Universidade Federal da Paraíba e Flávio Torrecillas, psicólogo pós-graduado pela PUC (Pontifícia Universidade Católica) de Minas Gerais

  • Getty Images

    Ativo

    Suas respostas indicam que você adora participar de grupos de WhatsApp, interage com todos e tem uma pasta só de memes no celular para usar nas mais variadas situações. Como tudo na vida, não se pode passar do limite. "É preciso ter bom senso ao compartilhar vídeos, imagens ou textos. Certifique-se de que o grupo é adequado para esse conteúdo ou se não é o caso de uma mensagem individual", afirma o psicólogo Flávio Torrecillas

  • Getty Images

    Mudo

    Ao que parece, você só participa dos grupos de WhatsApp porque alguém o adicionou, mas não interage em nenhum, a não ser quando o assunto lhe interessa. Você é mais reservado e prefere ficar na sua em boa parte do tempo. "Mesmo alguém não fazendo comentários ou participando de outras formas, pode acompanhar os acontecimentos do grupo", diz o professor de psicologia Carlos Pimentel. Mas se há vontade de sair do grupo, faça isso. "Vale mandar uma mensagem educada e sem inventar desculpas", fala o psicólogo Flávio Torrecillas

  • Getty Images

    Prático

    Pelas suas respostas, a sua relação com o WhatsApp é funcional: você só usa para dar e receber recados e nada mais. Muitas vezes, demora para responder, pois checa o aplicativo poucas vezes por dia. Quem precisa falar com você imediatamente é melhor ligar. "De fato, o propósito do Whatsapp é enviar e receber mensagens instantâneas, se o assunto for longo, o ideal é fazer uma ligação", diz o psicólogo Flávio Torrecillas

  • Getty Images

    Chato

    Ao que tudo indica, você adora compartilhar correntes e mandar mensagens motivacionais com flores, cachorros e gatinhos. É o primeiro a dar "bom dia" no grupo da família ou a mandar mensagens religiosas de superação, o que pode desagradar a alguns. "Em um grupo existem muitas individualidades. Não é possível agradar a todos" afirma Carlos Pimentel. Por isso, o bom humor pode ser uma saída. "Uma forma de moderar a situação é enviando memes, fazendo piada da situação", fala o professor de psicologia

Topo