Comportamento

Você é preguiçoso?

Getty Images
imagem: Getty Images

Tanto o excesso de preguiça quanto a aversão ao ócio podem trazer prejuízos. Descubra se o seu comportamento pede atenção a partir do teste elaborado com a colaboração do psicólogo Yuri Busin, doutorando em neurociência cognitiva pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, de São Paulo

  1. 710

    Como foram as suas últimas férias?

  • Getty Images

    Sim, tem preguiça demais

    Aparentemente, a preguiça é um estilo de vida para você . A parte positiva é que você está bem resolvido com isso. O ponto delicado, nessa questão, é saber como o seu comportamento está afetando as pessoas ao redor. "A preguiça começa a ser prejudicial quando atrapalha muito a produtividade. É preciso estar atento para não perder boas oportunidades, principalmente no trabalho", diz o psicólogo Yuri Busin

  • Getty Images

    Não, tem preguiça de menos

    Suas respostas indicam que você não tem preguiça e cultiva até uma certa aversão ao ócio. Porém, essa postura também pode ser perigosa, principalmente para a saúde. "Pessoas que estão sempre ocupadas podem estar fugindo dos problemas e isso pode gerar uma exaustão mental, além de outros transtornos", afirma o psicólogo Yuri Busin. Vale refletir a respeito

  • Getty Images

    Não, mas pode ser mal interpretado

    Você não é preguiçoso, mas tem preguiça de vez em quando. No dia a dia, não se deixa levar pela ansiedade, assumindo mais tarefas do que dá conta. Além disso, relaxa quando pode, sem culpa. Em alguns momentos, pode ser mal interpretado, por pessoas que pensam diferente, mas não vale a pena se preocupar com isso. "Ter preguiça de vez em quando é comum e absolutamente normal", afirma o psicólogo Yuri Busin

  • Getty Images

    Não é, mas está

    Ao que tudo indica, sua preguiça é mental e tem mais a ver com o momento que está vivendo do que com a sua personalidade ou condição física. "Esse tipo de preguiça se apresenta quando consideramos que a tarefa que temos de fazer é extremamente desgastante ou quando cremos que ela não vai nos trazer nenhum resultado positivo", diz o psicólogo Yuri Busin

Topo