Comportamento

Você é do tipo que guarda ou espalha segredos?

Getty Images
imagem: Getty Images

Descubra qual é a sua relação com a fofoca com o teste elaborado com a colaboração da psicóloga Ana Café, especializada no tratamento e prevenção dos transtornos do impulso pela Universidade Federal de Santa Catarina

  • Getty Images

    Espalha sem dó

    Suas respostas sugerem dificuldade de guardar segredos, os seus e os dos outros. Segundo a psicóloga Ana Café, é preciso analisar qual é a sua motivação para passar adiante informações confidenciais ou íntimas. "A maioria das pessoas que faz a chamada fofoca tem um autoconceito baixo. Elas se sentem importantes por terem uma informação privilegiada e contar o segredo é uma forma de conseguir atenção", diz a especialista

  • Getty Images

    Guarda a sete chaves

    Você parece ser bastante confiável e em pouquíssimas situações compartilha assuntos sigilosos. Quando o faz, é com adequação e cuidado, para não magoar nem ferir. "Quem adota essa postura não depende da relação com o outro para decidir como agir. As decisões são pautadas nos valores pessoais cultivados, dos quais essas pessoas não abrem mão", diz a psicóloga Ana Café

  • Getty Images

    Depende da situação

    Aparentemente, você só compartilha um segredo quando acredita que a fofoca será inofensiva ou ao julgar que poderá ajudar o outro buscando apoio externo. E pode estar certo. "Vale a pena quebrar o próprio código de ética ao perceber que a outra pessoa está em situação de risco. É preciso considerar que, quando alguém se abre ou se expõe, muitas vezes está pedindo ajuda", afirma a psicóloga Ana Café

  • Getty Images

    Guarda todos, os seus e os dos outros

    Suas respostas indicam que você tem aversão a fofocas e até se sente invadido quando fica sabendo de algo muito íntimo. Não quer interferir na vida das pessoas porque não deseja que se intrometam na sua. Segundo a psicóloga Ana Café, é importante refletir sobre a sua relação de confiança com o mundo. "Poder confiar e compartilhar é mais saudável do que se isolar. A questão é saber em quem confiar", diz

Topo