Vídeos

10 dicas auxiliam transição da criança do ensino infantil para fundamental

Getty Images
Pais são fundamentais no processo de transição dos filhos imagem: Getty Images

Thamires Andrade

Do UOL, em São Paulo

 

Aos seis anos é chegada a hora de se despedir do ensino infantil e ingressar no fundamental. No entanto, essa transição nem sempre é fácil, já que, além das mudanças na grade curricular e a diminuição do tempo disponível para brincadeiras, normalmente, a criança também precisa ir para uma instituição diferente da que frequentou até então.

A seguir veja dicas para que os pais ajudem o filho a passar pela fase de adaptação de forma tranquila:

  • Explique a mudança para a criança

    É recomendável que os pais não antecipem muito o assunto, mas, segundo Luciana Barros de Almeida, presidente da ABPq (Associação Brasileira de Psicopedagogia), é imprescindível que a criança saiba da mudança de escola e entenda o motivo de ela acontecer --no caso, a necessidade de ir para o ensino fundamental. "O tema deve ser abordado próximo da data do início das aulas, pois quanto menor a criança, menos capacidade ela tem de mensurar o tempo, o que pode deixá-la ansiosa", afirma.

  • Leve para conhecer a nova escola

    Caso os pais não tenham levado o filho durante o processo de escolha da nova escola, é importante apresentar o espaço físico à criança. "Se possível, apresente algumas pessoas com as quais ela conviverá, como funcionários e professores", declara Andréa Aires Costa, diretora da ABPp Nacional e presidente da seção do Estado do Ceará.

  • Divida suas experiências

    Para deixar a criança menos ansiosa, a diretora da ABPq Nacional recomenda que os pais contem suas próprias histórias aos filhos. "As narrativas dizem muito sobre o que somos e o que aprendemos em cada situação. O único cuidado é evitar comparativos, pois eles podem desqualificar a experiência que a criança terá", afirma.

  • Evite fazer comparações entre as escolas

    A criança sentirá uma grande diferença entre a escola nova e a antiga, portanto, Andreá recomenda que os pais evitem a todo custo comparar as duas. "Ambas foram importantes para cada momento vivido pela criança e pela família de forma geral, portanto, não devem ser feitos comparativos para evitar supervalorizar uma instituição ou outra. A criança viverá esse rito de passagem caindo e se levantando como em outros momentos, quando ela aprendeu a andar ou a pedalar uma bicicleta, por exemplo", afirma.

  • Não fale demais

    Os pais não devem levantar possíveis situações que podem acontecer no primeiro dia de aula da criança, pois isso pode gerar ansiedade. "Os adultos não devem dar excesso de conselhos sobre como agir e interagir com outras crianças ou se reportar aos professores. Devem deixar que o filho tome atitudes com naturalidade, lidando com as suas competências comunicativas de forma espontânea", afirma Andréa. A sugestão é que os adultos respondam apenas às dúvidas que as crianças trouxerem sobre o assunto.

  • Arrume tudo um dia antes

    Convidar a criança para separar os materiais um dia antes do primeiro dia de aula ajuda a estabelecer uma rotina de organização. José Carlos Martins, diretor pedagógico do Colégio Renovação, em São Paulo, recomenda que os pais evitem comentários que possam deixar o filho ansioso. Ele indica também separar o uniforme e deixar o lanche preparado, com uma quantidade que a criança esteja acostumada a comer.

  • Garanta uma boa noite de sono

    De acordo com o diretor pedagógico do Colégio Renovação, em São Paulo, o ideal é colocar a criança para dormir até as 20h30, pois uma boa noite de sono é fundamental para o equilíbrio no dia seguinte. "Ler um livro prepara o organismo para o descanso e existem diversas obras na literatura infantil que auxiliam nesse momento de transição, como o 'Quem Tem Medo de Quê?' (Ruth Rocha; editora Salamandra)", afirma. Além disso, caso a criança, por ansiedade, não consiga entrar em estado de sonolência, Martins recomenda que os pais permaneçam no quarto até que ela durma e evitem frases do tipo "durma que amanhã você tem escola".

  • Acalme a criança no primeiro dia de aula

    Para deixar a criança menos ansiosa no primeiro dia de aula, Martins recomenda acordá-la dentro de um tempo real, para evitar atrasos, oferecer uma refeição equilibrada, checar se todos os apetrechos da escola estão com ela, além de, se possível, evitar o transporte escolar e levá-la para a instituição pessoalmente. Luciana também aconselha a não falar sobre o assunto durante o trajeto. Na hora de despedir, reforce alguns lembretes como "se precisar, peça ajuda ao professor" e diga que esperará ansioso para ouvir as novidades na volta para casa.

  • Esqueça a pergunta "como foi o primeiro dia?"

    De acordo com a presidente da ABPp, a pergunta clássica pode ser elaborada de uma outra maneira e a recomendação é que, de início, os adultos aguardem um pouco para ver se a criança comenta algo espontaneamente. "Ao pegá-la na escola, os pais podem falar de algo da rotina deles. Caso o filho não mencione o assunto, dê um tempo e depois comente algo sobre o semblante da criança. Algo como 'quando cheguei na escola percebi que você estava com uma carinha (alegre, preocupada, cansada, disposta), estou pensando que seu dia hoje na escola foi divertido, cheio de novidades... Conte-me o que você fez", afirma.

  • Encoraje a superar desafios

    Caso a criança demonstre algum desconforto depois do primeiro dia de aula, os pais devem tentar acalmá-la, dizendo que toda nova situação gera um desconforto inicial. "Tudo que não é conhecido causa dúvidas e gera inquietações, os adultos precisam entender qual foi o desconforto e orientar o filho sobre como agir caso a situação aconteça novamente. É importante encorajá-lo a enfrentar os desafios e mostrar que ele é capaz de superá-los", afima a presidente da ABPq.

Topo