Últimas de Estilo de vida

7 estratégias para driblar o medo das crianças na hora do exame de sangue

Getty Images
Os pais são o porto seguro da criança na hora do exame de sangue imagem: Getty Images

Fernanda Carpegiani

Do UOL, em São Paulo

 

A dupla agulha mais sangue é capaz de provocar calafrios (e até desmaios!) em muitos adultos, que dirá nas crianças. Mais cedo ou mais tarde, seu filho vai precisar fazer um exame de sangue e pode ficar bem assustado com a situação toda, então prepare-se, pois o pai e a mãe, nesse momento, devem servir como um ponto de apoio.

"É imprescindível a ajuda dos pais nesse processo de coleta de sangue, porque eles são o vínculo mais forte de confiança dos filhos, seu porto seguro", afirma Lucélia de Oliveira Ricardi, coordenadora do setor de Coleta da Unidade Morumbi do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo, que conta com o auxílio da psicóloga Melina Blanco Amarins, da área materno-infantil para oferecer o máximo de conforto aos pequenos pacientes.

Quer saber como ajudar na prática? Confira sete dicas para acalmar as crianças:

  • Fale a verdade

    Enganar seu filho ou dizer que não sabe como será o exame só vai fazer com que ele fique mais angustiado. Pode até quebrar o laço de confiança entre vocês, principalmente se ele for mais velho e tiver um entendimento maior sobre tudo. Um ou dois dias antes, diga exatamente o que vai acontecer, dê detalhes conforme ele for perguntando, avise que vai doer um pouco e que passará rápido. Só evite falar muito tempo antes, pois isso pode gerar mais ansiedade.

  • Treine com bonecos

    A brincadeira é uma ótima forma de ajudar a criança a expressar seus sentimentos e, consequentemente, aprender a lidar com seus medos. Reproduza o momento do exame em casa com um boneco e mostre como é o passo a passo de um jeito simples e, por que não?, divertido. A sugestão é das especialistas Lucélia de Oliveira Ricardi e Melina Blanco Amarins.

  • Parceria com a equipe de coleta

    Os profissionais que fazem exames em crianças costumam ser bem compreensivos e ter suas próprias estratégias para aliviar o medo dos pacientes, por isso é interessante conversar com a equipe antes. Veja se é possível, por exemplo, deixar seu filho manusear alguns materiais que serão usados no procedimento, para ele se familiarizar com o ambiente.

  • O choro é livre

    Seu filho vai chorar e isso não é um problema. Essa é uma forma de expressão importante, principalmente para crianças menores, que ainda não sabem falar muito bem.

  • Fique bem pertinho

    É importante que a criança encontre um ambiente tranquilo e acolhedor na hora do exame. "Vale pegar no colo, encostar o rosto do seu filho junto ao peito, ajudá-lo a pensar em coisas boas, contar uma história", diz a psicóloga e psicopedagoga especializada em crianças e adolescentes Renata Yamasaki.

  • Atestado de coragem

    Que tal reconhecer o ato de bravura com algo lúdico? Vale fazer um "diploma de coragem", escrever uma frase de incentivo em um adesivo ou etiqueta e até colocar um bilhete na geladeira, para a criança ficar orgulhosa por ter enfrentado o medo. A dica é do pediatra Thiago Gara Caetano, chefe do Pronto-Socorro Infantil do Hospital e Maternidade São Luiz Anália Franco, em São Paulo.

  • Passe segurança

    De nada adianta tentar tranquilizar a criança se você estiver em pânico. A professora de Inglês Tatiana Dafferner, 41, já precisou acompanhar muitos exames de sangue do filho, Felipe, de cinco anos, e conta que agir com naturalidade é a melhor pedida. "Ele quase sempre chora, mas continuo firme, digo 'estou aqui', peço para ele olhar para mim e lembrar sempre que vai ser rápido."

Topo