Gravidez e filhos

8 dicas de etiqueta para evitar saias justas durante as festas infantis

Getty Images
Às vezes, é preciso negociar com o filho a entrega do presente ao aniversariante imagem: Getty Images

Beatriz Vichessi

Colaboração para o UOL, em São Paulo

Nem tudo é diversão durante uma festa infantil. Alguns episódios podem deixar os anfitriões ou os convidados envergonhados, tristes ou irritados. Por isso, é importante saber lidar com certas situações e saber como evitar outras. 

Confira oito dicas de etiqueta:

  • Nome na lista

    Se não for possível convidar todos os amigos da criança ou todos os familiares para a festa, prepare-se para lidar com possíveis reclamações ou pedidos de explicação. Não raro, quem não foi convidado fica sabendo da festa de alguma forma. E algumas pessoas costumam ficar ressentidas. "A melhor opção é dizer a verdade. Explique que você só tem condições, dessa vez, de convidar algumas pessoas", diz Maurício Pinto, psicólogo clínico e gestor de pessoas no Colégio Elvira Brandão, em São Paulo.

  • Festa intimista

    Caso seu filho seja o aniversariante e não queira convidar determinados amigos para a festa, respeite a opinião dele, mas deixe claro que ele pode não ser chamado para eventos das crianças deixadas de fora da comemoração, por exemplo. "Geralmente, as crianças começam a ter os amigos prediletos a partir dos quatro anos", diz a psicóloga Dani Toledo, designer de festas da Gabi Pinheiro - A Festa Feita à Mão, de São Paulo. Vale a pena pedir discrição para os pais dos amigos convidados, explicando a eles que será uma festa para poucos e que você gostaria de evitar alarde. "Se os pais dos não convidados entrarem em contato perguntando o motivo da exclusão, antes de mais nada, entenda a situação deles, que podem estar tendo de lidar com o filho ressentido", fala. E mais: lembre-se de que as crianças vão continuar convivendo, por isso é importante manter a harmonia. Diga que seu filho escolheu convidar aqueles com quem tem mais afinidade, e é importante respeitá-lo, afinal é o dono da festa. Para evitar que uma situação desagradável seja criada no ambiente da escola, converse com a professora da turma antes de distribuir os convites. "Faça dela uma aliada", afirma Dani.

  • Olho no cardápio

    Receber bem as crianças com restrições alimentares é tarefa de um bom anfitrião. Por isso, procure conversar com os pais dos convidados para saber se algum deles tem intolerância ou alergia a algum alimento. Se as restrições não forem muitas, exclua o ingrediente do cardápio. Caso contrário, prepare mais opções para servir, respeitando o que a criança pode comer. Se for uma criança maior que vá desacompanhada à festa, é bom ficar de olho no que ela consome para evitar reações caso consuma uma guloseima proibida. Com a crescente preocupação com a qualidade da alimentação, é válido pensar em acrescentar ao menu tradicional dos aniversários --recheado de itens como coxinha e brigadeiro-- opções mais saudáveis, como salgados assados e salada de frutas em copinhos.

  • Penetra à vista

    Às vezes, por motivo de agenda ou por conta de algum imprevisto, é inevitável levar um convidado extra à festa para qual seu filho foi convidado, pode ser o irmão mais velho, um primo ou amigo dele. É prudente, de acordo com Dani, telefonar para os anfitriões com o máximo de antecedência possível e avisá-los do ocorrido, explicando a situação. Assim que chegarem à festa, é importante pedir desculpas. "Lembre-se de que bufês cobram por pessoa e convidados a mais podem fazer os donos da festa fugirem do orçamento previsto", afirma a psicóloga materno-infantil Dannielle Bracioli Silva. Se tiver muita intimidade com eles, inclusive, proponha arcar com esses custos.

  • Hora do bolo

    Desde cedo, é importante ensinar regras que pautam o convívio social para as crianças. Em festas de aniversário, geralmente, a mesa com o bolo e os docinhos ficam à vista dos convidados como um elemento decorativo, até que se cante o "Parabéns". "Algumas crianças teimam em querer comer as guloseimas ou mexer nos enfeites antes. Deixe claro para seu filho que o que ele quer fazer é errado e não permita", fala o psicólogo Maurício Pinto. Dani sugere tentar chamar a atenção da criança para o que está acontecendo na comemoração, como brincadeiras. Também vale se precaver e levar, de casa, um brinquedo que seu filho goste.

  • Conflitos naturais

    É normal que crianças se desentendam na escola, no parque e também em festas. "Quando adultos interferem na dinâmica delas, muitas vezes, mais atrapalham do que ajudam. É melhor que os pequenos se resolvam sozinhos", diz Maurício Pinto. É importante, porém, tentar compreender o que aconteceu para acolher quem estiver chorando ou magoado.

  • Disputa pelo presente

    Ao chegar à festa, é possível que seu filho decida não entregar o presente ao aniversariante ou à recepcionista do bufê. Procure conversar com ele, explique que vocês compraram o item com carinho para o aniversariante, então, nada mais natural do que entregá-lo. "Não retire à força o presente da mão dele nem faça ameaças", diz Dani. Se ele insistir em não entregar, analise a situação: se possível, guarde o embrulho e depois explique a situação aos anfitriões. Se o aniversariante estiver presente na cena, prefira negociar a entrega, sugerindo que as crianças poderão brincar juntas. Mais uma vez, ter um brinquedo querido da criança na bolsa pode ajudar a convencê-la a entregar a lembrança.

  • Não gostei!

    Crianças costumam ser sinceras e verdadeiras a ponto de dizer que não gostaram do sabor do bolo em alto e bom som. Se seu filho fizer uma coisa dessas, não o obrigue a comer. Converse com ele em outro momento depois da festa. "Explique que cada um tem um gosto e que não há problema nisso, mas que não devemos dizer tudo o que pensamos em qualquer lugar, ainda mais na frente dos donos da festa, basta não comer o que não quiser", fala Dani. Maurício Pinto recomenda não se preocupar com os anfitriões: receber crianças para uma festa implica saber lidar com questões dessa natureza com tranquilidade.

Topo