Vídeos

Feto pode ter ereção; veja outras curiosidades sobre o pênis do bebê

Getty Images

Melissa Diniz

Do UOL, em São Paulo

Nasce um bebê  e com ele um monte de dúvidas sobre o funcionamento e os cuidados de que precisa. No caso dos meninos, o pênis pode gerar uma série de questionamentos. Veja a seguir 11 curiosidades.

  • 1 - Bebê pode ter ereções dentro da barriga da mãe

    "A medicina fetal evoluiu muito, as técnicas e os aparelhos de alta resolução conseguem mostrar detalhes incríveis. Com frequência, pode-se observar que o feto manipula a genitália. Provavelmente, isso lhe traz algum tipo de prazer", diz Tadeu Fernando Fernandes, presidente do Departamento de Pediatria Ambulatorial da Sociedade Brasileira de Pediatra. Segundo o médico, no início da gravidez, o pênis do bebê costuma estar em repouso. Com o tempo, entretanto, notam-se sinais de aumento do tamanho e ereção. "Trata-se de um processo totalmente fisiológico, nada relacionado à sexualidade."

  • 2 - Dentro da fralda, o pênis deve ficar "apontado" para cima

    A dúvida dos pais sobre o jeito certo de posicionar o pênis do bebê dentro da fralda é frequente. Alguns acham que é preciso alternar o lado para que o membro não entorte. De acordo com o médico, isso é lenda. "O jeito certo de colocar é 'apontado' para cima, para facilitar o ato de urinar. Para baixo, pode dificultar a ereção. Para os lados, faz escapar a urina da fralda", fala Tadeu Fernando Fernandes.

  • 3 - Exercícios para evitar a fimose nunca devem ser feitos

    Antigamente, havia essa recomendação, mas pesquisas recentes demonstram que a retração prepucial ocorre naturalmente. "Nunca faça exercícios. A aderência prepucial à glande presente no nascimento costuma desaparecer, permitindo sua exposição ao longo do crescimento da criança (em geral, até os cinco anos)." O médico afirma que o prepúcio (dobra de pele) cobre completamente a glande durante o período em que a criança ainda não apresenta controle esfincteriano, protegendo-a do contato direto com fraldas, fezes, urina e roupas. "O prepúcio é uma proteção contra infecções urinárias no menino. Forçar sua retração pode causar fissuras, que levam à formação de um tecido fibrótico, formando assim uma fimose adquirida."

  • 4 - Ao contrário do que se pensa, a incidência de fimose é rara

    "A incidência de fimose patológica entre crianças é de 0,4 casos a cada mil nascimentos de meninos por ano. Portanto, a suspeita de fimose é mais frequente do que sua real incidência." Na maioria das vezes, as aderências entre o prepúcio e a glande se desfazem normalmente ao longo do tempo.

  • 5 - O inchaço dos órgãos genitais presente no nascimento é passageiro

    Não se preocupe, vai passar. "O bebê nasce edemaciado, ou seja, inchado, em todo seu corpo, inclusive nos órgãos genitais. É por isso que perde peso nos primeiros dias de vida."

  • 6 - Meninos precisam de cuidados específicos de higiene

    Segundo o médico, é preciso lavar os órgãos sexuais do bebê suavemente com água e sabonete, sem fazer muita fricção e, principalmente, enxugar bem a região abaixo da bolsa escrotal, local onde geralmente formam-se micoses. "Trata-se de um lugar quente e úmido, por isso é favorável a fungos."

  • 7 - Bebês obesos podem ter pênis embutido

    Nesses casos, o pênis fica dentro do tecido adiposo, dando a impressão de ser pequeno demais. "É um engano, pois, na verdade, o órgão está coberto pelo tecido adiposo." De acordo com o médico, por ficar um pouco escondido, pode levar a criança a sofrer bullying e traumas psicológicos durante a infância.

  • 8 - A circuncisão não traz benefícios à saúde do bebê

    Há quem afirme que a circuncisão (cirurgia de remoção do prepúcio) evita doenças como a infecção urinária, o médico discorda. "A circuncisão é um procedimento exclusivamente religioso e não traz benefícios cientificamente comprovados. A Academia Americana de Pediatria não recomenda", afirma.

  • 9 - A uretra do bebê tem de ser centrada no pênis

    Os pais precisam ficar atentos, a hipospádia, malformação congênita caracterizada pela existência de uretra curta, que não chega até a glande, é um problema comum. "A uretra, canal por onde sai a urina, tem de estar bem centrada no pênis. Quando está muito abaixo, é preciso corrigir com cirurgia." Os sinais mais comuns são o menino urinar para baixo, normalmente sentado, formação de curvatura no pênis quando há ereção e existência de grande sobra de pele no prepúcio.

  • 10 - Testículo que não desce pode "morrer" dentro da cavidade abdominal

    É preciso que os pais realizem a palpação para observar se os dois testículos estão dentro da bolsa escrotal do bebê. "A ausência de um ou dos dois testículos se chama criptorquidia. Se o problema não for resolvido até, no máximo, dois anos de idade, o testículo que não desceu pode 'morrer' dentro da cavidade abdominal. Se a condição for bilateral, a criança pode se tornar um adulto estéril." O médico diz ainda que os pais devem ficar atentos para a existência de hérnias (alças de intestino que migram para dentro do testículo). O problema costuma estar ligado à criptorquidia. A existência de inchaços ou caroços na virilha do bebê são sinais de alerta. "Esse é outro caso para cirurgia."

  • 11 - Testículos do bebê podem conter excesso de água

    A palpação dos testículos do bebê também permite identificar a hidrocele, acúmulo de líquido em quantidades anormais dentro do escroto e envolvendo o testículo. "A ocorrência de hidrocele é frequente no nascimento, mas costuma haver a regressão natural com o passar dos meses", diz Fernandes.

Topo