Infância

Ingleses passam a ter aulas de programação a partir dos 5 anos

BBC
Max sabe programar desde os seis anos e gosta de pensar em ideias para 'ajudar o mundo' imagem: BBC

Max, de dez anos, tem uma rotina diferente da maioria dos garotos de sua idade. "Chego em casa da escola, como e depois começo a programar. Depois durmo e começo tudo de novo no dia seguinte", diz.

Max aprendeu a criar programas de computador e sites há quatro anos, depois de ganhar um computador de sua mãe, e diz que isso hoje é uma parte muito importante de sua vida. "Você pode fazer muita coisa com a programação. Programar te ajuda a pensar fora da caixa. Gosto de pensar em ideias que podem ajudar o mundo."

Vida moderna

Em breve, as escolas inglesas poderão ter muitos mais meninos e meninas como Max. Desde segunda-feira (1º), crianças a partir de cinco anos têm aulas de programação nas mais de 160 mil escolas primárias do país. A mudança faz parte de uma série de alterações no currículo escolar que acabam de ser colocadas em prática na Inglaterra.

Segundo o Departamento de Educação, o objetivo é preparar as crianças para a vida moderna. "Elas precisam aprender o básico de áreas chave, que são as mais valorizadas por universidades e empresas", disse uma porta-voz do governo.

Rigoroso e envolvente

Voltado para alunos de até 14 anos, o novo currículo foi descrito pelo primeiro-ministro Gordon Brown como "rigoroso, envolvente e difícil". Micheal Gove, ex-secretário de educação, disse que esaas alterações eram necessárias para que a Inglaterra estivesse à altura dos mais bem-sucedidos sistemas educacionais do mundo.

$!$render-component.split('/')[$math.sub($render-component.split('/').size(), 1)]

O novo currículo dá mais importância a habilidades como "redação de teses, resolução de problemas, modelagem matemática e programação".

Russell Hobby, secretário-geral da Associação Nacional de Professores, diz que os mestres se prepararam ao longo do último ano para ensinar o novo currículo, mas que pode haver certa dificuldade em áreas como matemática, na qual os tópicos mais avançados podem ser de difícil compreensão para os alunos mais novos. "Um dos erros do novo currículo é que ele está sendo implementado todo de uma vez", diz Hobby.

"Em matemática, é preciso aprender um conceito básico antes de ir para os mais avançados. Agora, há crianças que não terão aprendido o básico antes de terem de aprender os conceitos avançados."

Também haverá, por exemplo, mudanças nas aulas de inglês. Alunos de até 14 anos terão de ter estudado, ao menos, duas peças de Shakespeare. Em ciências, haverá aulas sobre mudanças climáticas.

Inovação

O novo currículo ainda traz duas grandes novidades. Os estudantes passarão a ter aulas de tecnologia e design, em que aprenderão sobre inovação e indústrias digitais, com aulas de impressão 3D e robótica. E também haverá, é claro, as novas aulas de programação. Os alunos com idades entre cinco e sete anos aprenderão a escrever códigos de programação, a entender o que são algoritmos e a criar programas de computador simples.

Aos 11 anos, eles deverão ser capazes de "elaborar, usar e avaliar abstrações computacionais que modelam o comportamento de problemas do mundo real e físico".

Max está animado com a mudança, porque considera as aulas de computação atuais nada estimulantes. "Se várias outras crianças começarem a programar, a competição pelo trabalho de programador vai aumentar, mas isso é uma coisa boa, porque significa que mais gente estará trabalhando nessa área."

Topo