Infância

Bem-estar emocional na infância "compra felicidade"

Getty Images
Pesquisa entrevistou mais de 9.000 pessoas nascidas na Grã-Bretanha imagem: Getty Images

Um estudo da LSE (London School of Economics) afirma que estabilidade emocional no lar tem mais influência na felicidade futura de crianças do que dinheiro ou um bom desempenho acadêmico.

De autoria do professor Richard Layward, considerado um dos principais especialistas no mundo em "estudos da felicidade", a pesquisa entrevistou mais de 9.000 pessoas nascidas na Grã-Bretanha, em diversas situações sociais durante um período de três semanas no ano de 1970.

Essas pessoas foram acompanhadas até os 34 anos, e vários dados de sua trajetória foram analisados, como renda familiar, histórico de trabalho e mesmo a ficha criminal. A partir dessas análises, a equipe desenvolveu um modelo matemático explicando variações nos níveis de felicidade entre a população britânica.

Para avaliar a estabilidade emocional, a equipe de Layward também se concentrou em detalhes minuciosos ,como crises de insônia na infância e mesmo incontinência urinária, passando por desordens alimentares.

Os pesquisadoras concluíram que a "saúde emocional" na infância esteve no topo da lista de fatores determinantes. O histórico acadêmico ficou em último lugar.

Saúde emocional

O estudo concluiu que a renda é responsável por apenas 1% de variação nos índices de felicidade expressados pelas pessoas estudadas, enquanto a "saúde emocional" na infância responde por 6%.

As conclusões do estudo são controversas, em especial o argumento de que o desempenho intelectual na infância pode ter muito menos influência do que se pensava no que se pode chamar de realização na vida adulta.

"Sabemos que vamos provocar ultraje ao dizer que educação e dinheiro estão entre os menos importantes determinantes de sucesso", escreveu Andre E. Clarke, um dos acadêmicos envolvidos no estudo da LSE.

Nos últimos anos, os "estudos da felicidade" ganharam popularidade não apenas no meio acadêmico como político. Ao ponto de pesquisadores e mesmo chefes de estado, como o premier britânico, David Cameron, falarem publicamente em termos como "PIB da felicidade" como parte de discussões para melhor entender as necessidades da população.
Cameron recentemente declarou que "era chegado o momento de admitir que há mais na vida do que o dinheiro".

Topo