Infância

Bilhete de escola gera desabafo de mãe contra racismo: 'Não quero que minha história se repita com meus filhos'

Arquivo Pessoal
Bilhete pedia que cabelo de gêmeos Antônio e Benício fosse aparado ou trançado imagem: Arquivo Pessoal

Um bilhete em que uma profissional de educação pede a uma mãe que apare ou trance o cabelo dos filhos, ambos negros, provocou revolta da família e está causando polêmica nas redes sociais.

O bilhete foi enviado na sexta-feira (16), na agenda dos gêmeos Antônio e Benício, 3, filhos da professora de canto Débora Figueiredo, moradora de Duque de Caxias, município da Baixada Fluminense, no Rio de Janeiro. Os dois estudam no Educandário Eliane Nascimento, em Caxias.

"Olá! Mamãe Débora, peço-lhe se possível aparar ou trançar o cabelinho dos meninos, eles são lindos, mais (sic) eu ficaria mais feliz com o cabelo deles mais baixo ou preso. Beijos, Fran", diz o bilhete.

Débora considerou o recado uma expressão de preconceito racial e fez um post em tom de desabafo: "Meus filhos Antônio e Benício foram vítimas de preconceito por causa do cabelo deles, recebi essa mensagem na agenda escrita pela coordenadora da escola, que até então tinha meu respeito, daqui em diante..." A mensagem se espalhou, compartilhada por amigos, amigos de amigos e pessoas que ela nem conhece.

Arquivo Pessoal
Mãe de gêmeos considerou recado preconceituoso imagem: Arquivo Pessoal
Ela foi procurada pela escola e, na segunda-feira (20), esteve no colégio acompanhada de um advogado. A diretora Eliane Nascimento, proprietária do educandário que leva seu nome, disse então que só falaria com a mãe também acompanhada de um advogado, e nova reunião foi marcada para quarta-feira (22).

Além dos gêmeos, outro filho de Débora, de dois anos, também é aluno do educandário. Há sete meses, ela perdeu o filho caçula, de apenas oito meses.

À BBC Brasil, Eliane Nascimento defendeu o tom do bilhete e disse que ele, em intenção ou expressão, não é mostra de qualquer tipo de preconceito racial da coordenadora, que é sua filha.

Segundo Eliane, há um surto de piolhos na escola, e o alerta da coordenadora foi no sentido de proteger os gêmeos, por entender que eles, com os cabelos cheios, ficam mais sujeitos a serem contaminados por colegas que têm piolhos.

Segundo ela, o tema "piolho" não apareceu no bilhete porque as crianças às vezes são buscadas por outra pessoa da família, e a coordenadora não quis falar do problema diretamente.

'Sem preconceito'

"De modo algum houve preconceito. Meu marido é negro. Aqui na escola aceitamos pessoas de todas as etnias e religiões, sem discriminação", afirmou Eliane. Ela afirmou ainda que a infestação de piolhos foi um dos temas da reunião de pais realizada em 3 de junho, e que uma circular foi enviada aos pais pedindo ajuda para combater o problema.

Segundo Eliane, o educandário existe há 20 anos e tem cerca de 300 alunos, da educação infantil ao nono ano.

Débora Figueiredo disse que recebeu a circular com o aviso do surto de piolhos, mas que o bilhete não é a mesma coisa, por se tratar de um recado específico sobre os cabelos dos gêmeos e sem falar em piolhos.

"Eu mesma fui vítima de muito preconceito quando criança. Os colegas faziam música, me chamavam de nomes, eu chorava, brigava, apanhava... Sofri muito. Meus pais sempre me diziam que eu era linda, mas nunca agiram diretamente no colégio. Não quero que a história se repita com meus filhos", afirmou Débora, que está à procura de uma nova escola para as crianças.

Topo