Gestação

O que é importante na escolinha do seu filho - e o que pode ser prejudicial?

Fábio Arantes/Prefeitura de São Paulo
Pré-escola municipal em São Paulo; especialistas defendem que crianças experimentem diferentes tipos de atividades lúdicas e estímulos imagem: Fábio Arantes/Prefeitura de São Paulo

Paula Adamo Idoeta Da BBC Brasil, em São Paulo

A creche e a escolinha são muito mais do que apenas os locais onde as crianças passam seu tempo enquanto os pais estão trabalhando.

O período da educação infantil tem forte impacto no desenvolvimento da criança de zero a seis anos e é capaz, inclusive, de ampliar ou reduzir as desigualdades educacionais e sociais do país: quem frequenta creches de baixa qualidade, públicas ou privadas, acaba partindo de um patamar inferior a quem recebeu estímulos enriquecedores, experiências produtivas e afeto nesse período, dizem especialistas.

"Pesquisas de neurociência comprovam que é nos três primeiros anos de vida que o ser humano alcança o ápice do aprendizado de capacidades como linguagem, memória e atenção, importantes para a vida toda", diz à BBC Brasil Beatriz Ferraz, gerente de educação infantil da Fundação Maria Cecília Souto Vidigal.

"Ela faz conexões cerebrais em alta velocidade. A falta de estímulos nessa fase é um grande desperdício. É muito mais custoso (aprender) mais para frente."

O pesquisador da Faculdade de Economia e Administração da USP de Ribeirão Preto Daniel Santos compilou diversos dados e estudos sobre educação infantil e concluiu que a má qualidade de grande parte da rede brasileira pode prejudicar essas crianças mais adiante, tanto em seu desempenho escolar quanto no desenvolvimento emocional.

Os impactos podem se estender à renda futura dessas crianças e até seu envolvimento com a criminalidade, agrega Alejandra Meraz Velasco, do movimento Todos Pela Educação.

Então, o que é importante observar na escolinha do seu filho, seja pública ou particular? A BBC Brasil listou alguns pontos levantados por especialistas, em nove tópicos:

1. Estímulos e brincadeiras são cruciais para aprender - e ficar à toa é a pior opção
A escolinha é o local para as crianças explorarem e serem estimuladas por diferentes materiais, sons, histórias e fantasias, explica à BBC Brasil Shirley Maria de Oliveira, coordenadora pedagógica do Centro de Educação Infantil Suzana Campos Tauil, pré-escola de referência na rede municipal de São Paulo.

Lilian Borges/Prefeitura de São Paulo
Espaços ao ar livre são muito importantes nas creches, mas podem ser compensados por outros estímulos em ambientes internos imagem: Lilian Borges/Prefeitura de São Paulo

E o aprendizado se dá sobretudo pela brincadeira. Atividades individuais e coletivas enriquecerão seu repertório de sentidos e experiências.

"São as brincadeiras, ações, interações (...) que levam a criança a ter curiosidade sobre temas, práticas e ideias", diz trecho da Base Nacional Comum Curricular, documento do Ministério da Educação que, quando concluído, orientará o currículo escolar do país.

Isso envolve, por exemplo, coletar folhas e galhos no jardim, brincar de roda e de jogos, transformar objetos comuns em brinquedos, ouvir histórias, desenhar e pintar.

O pior para a criança nessa fase é passar o dia à toa: "A escolinha tem de ter um conjunto de atividades que sejam intencionalmente provocadoras de estímulo. Creches onde a criança passa o dia dormindo e assistindo TV são um crime, por mais carinhosas que sejam as educadoras", adverte Daniel Santos, da USP-Ribeirão Preto.

E isso, no entanto, ainda ocorre no Brasil, como herança da época em que creches eram vistas não como período de educação, mas de mera assistência social, "quando era suficiente que a criança estivesse alimentada, limpa e sem doenças", agrega Santos.

"Para muitos pobres (sem acesso à pré-escolas de qualidade), a creche piora o desenvolvimento da criança. É um problema bastante agudo num momento em que fala-se tanto em expandir esse serviço no Brasil."

2. A criança gosta de ir à escola?
Para Santos, "a primeira coisa a observar, independentemente do método (da escola), é se a criança está gostando de ir, se não está se estressando exageradamente - isso é um grande risco à educação infantil".

Por trás disso estão, além das atividades enriquecedoras, professores afetuosos.

"O professor tem que ser uma presença brincante, lúdica, alegre e amorosa", diz Shirley, do CEI Suzana Campos.

Portanto, é bom também que não haja muita rotatividade de educadores, porque eles acabam se tornando referência afetiva para as crianças pequenas.

Lilian Borges/Prefeitura de São Paulo
Com diferentes materiais e atividades, crianças farão mais conexões neurais e se desenvolverão mais imagem: Lilian Borges/Prefeitura de São Paulo


3. Espaço, brinquedos e livros
Os especialistas consultados pela reportagem dizem que o ambiente da pré-escola tem de ser aconchegante e acessível às crianças. Mas mais importante do que as instalações em si são os estímulos que elas proporcionam.

Um jardim oferece às crianças a chance de contato com a natureza, mas a ausência desse espaço pode ser compensada de outras formas.

"Você pode construir cenários (dentro da própria escola), trazer histórias e elementos diferentes às crianças, visitar praças ou parques, usar fantoches e tendas", sugere Marcia de Castro Ferreira dos Santos, diretora do CEI Suzana Campos.

Não é preciso ter um monte de brinquedos tradicionais, como bonecas e jogos, já que eles podem ser combinados com os chamados materiais não estruturados: caixas e tecidos, por exemplo.

"Esses materiais dão às crianças um espaço de criação muito maior. O pano pode virar capa de super-herói, avental de cozinha, cobertor, cabelo da princesa", conta Shirley.

Livros infantis são cruciais, mas eles sozinhos não promovem a experiência com a literatura. "É o adulto quem faz isso", diz Marcia. "Crianças que entram na escola sem estarem habituadas a ler ignoram os livros e só vão se interessando quando fazemos rodas de história e projetos de leitura."

4. Ter um projeto pedagógico
Todos os especialistas consultados pela reportagem concordam que é essencial que escolinhas e creches tenham um projeto pedagógico, ou seja, que haja um motivo por trás das atividades oferecidas às crianças.

As responsáveis pelo CEI Suzana Campos explicam que seus professores planejam quais experiências pretendem proporcionar às crianças a cada semana - linguagens, sons, arte e literatura - e registram diariamente como cada aluno reagiu.

Mas Alejandra, do Todos Pela Educação, faz uma ressalva: "O brincar é o elemento importante e não deve ser abandonado nessa fase. O objetivo não é adiantar o ensino fundamental".

Lilian Borges/Prefeitura de São Paulo
Materiais não estruturados, como panos e caixas, dão mais margem à imaginação do que os brinquedos 'prontos' imagem: Lilian Borges/Prefeitura de São Paulo


5. Preservar a autonomia e a individualidade
É preciso que todas as crianças da mesma turma façam a mesma atividade ao mesmo tempo? Nem sempre, dizem os especialistas.

Projetos e brincadeiras em grupo são importantes, mas também o são os momentos em que as crianças podem escolher entre uma aquarela para pintar ou um livro para ler. O objetivo é dar-lhe liberdade e autonomia.

Outra forma de estimular isso é durante as refeições, por exemplo permitindo que crianças de 2 ou 3 anos comecem a tentar se servir. "Há pais que se surpreendem em ver que seus filhos conseguem fazer algumas coisas sozinhos", explica Marcia, do CEI Suzana Campos.

Daniel Santos orienta também que se fique atento "à criança que está fora do grupo e buscar entender o porquê (de ela não participar das atividades)".

Além disso, é preciso enxergar as crianças como seres singulares, que vão vivenciar as experiências cada uma a seu modo.

Marcia sugere, por exemplo, que bebês fiquem nos berçários com algum pedaço de pano que tragam de casa, cujo cheiro remeta à família. "Eles estão aprendendo outros vínculos além da mãe", explica.

A disponibilidade para atender os pais e incluí-los no projeto pedagógico é outro ponto crucial, diz Shirley.

"Fazemos encontros temáticos com os pais, sobre brincadeiras, o Estatuto da Criança, a importância da leitura - até para eles entenderem que quando o seu filho voltar para casa de bermuda suja de terra ou tinta será um sinal de que ele brincou, explorou, desenvolveu capacidade de equilíbrio, confiança e força."

Lilian Borges/Prefeitura de São Paulo
imagem: Lilian Borges/Prefeitura de São Paulo

6. Qualificação e quantidade de educadores
Os educadores precisam por lei ser formados em pedagogia, mas recomenda-se que tenham também uma formação específica para lidar com essa faixa etária (de zero a seis anos) e vivências práticas.

"É o professor quem vai trazer elementos ao imaginário da criança, com estratégias como jogos, músicas, histórias", explica Marcia.

"Os dados parecem mostrar que a formação prática tem mais efeito do que o diploma (na capacidade do educador nessa fase)", diz Santos.

Quanto à proporção, os parâmetros de qualidade do Ministério da Educação recomendam que, na faixa etária de zero a 2 anos, haja 6 a 8 crianças para cada educador; aos 3 anos, 15 crianças para cada educador; a partir de 4 anos, 20 crianças para cada educador.

E turmas menores são melhores para crianças pequenas, diz Beatriz Ferraz. "Turmas grandes causam estresse tóxico", por tornar o ambiente provavelmente caótico.

7. Precisa de tecnologia?
Tablets e TVs devem ter espaço na escolinha?

No CEI Suzana Campos, a percepção é de que é muito cedo para isso.

"(O uso) nega à criança a possibilidade de viver o tempo da infância. (O tablet) chegará pelo contexto social mais tarde", opina Marcia. "Preferimos usar mídias de forma diferente: lupa, lanterna, projetor para fazer mímicas e sombras, máquinas fotográficas. Não dá para ficar só no mundo virtual (da tecnologia), porque a criança precisa do mundo real."

Para Daniel Santos, "há pouca evidência conclusiva, mas quando se diz que 'a TV faz mal' é porque traz apenas um estímulo à criança, em vez de vários. E é a variedade de estímulos que importa. Se a tecnologia for bem usada, ok. Se for usada para fazer a criança parar de chorar, não é um bom começo."

Segundo Beatriz Ferraz, experimentos mostram que crianças pequenas aprendem muito pouco com a exposição à TV. "A interação que faz sentido para ela é a humana, em que ela fala, um adulto responde e isso gera mais uma reação. (Mas) podemos pensar na tecnologia como um instrumento (de auxílio) à aprendizagem, com um peso e uma medida muito menor (do que a interação humana)."

8. E a alfabetização?
Uma corrente de especialistas defende que noções de alfabetização sejam introduzidas já na educação infantil - algo que não está previsto na versão atual da Base Nacional Curricular, ainda em debate.

Outros defendem que é muito cedo - e lembram que os pais não devem ter expectativa de que o filho saia alfabetizado da escolinha.

No CEI Suzana Campos, "as crianças são expostas a letras, poemas, livros. Mas nunca numa perspectiva preparatória, e sim dando potência para criatividade e a imaginação", diz Shirley. Ela opina que apressar a alfabetização seria "pular uma etapa".

Para Santos, "uma criança curiosa que queira, do seu jeito, brincar com números e letras deve ser incentivada. O que faz mal não é introduzir a alfabetização, mas fazê-lo de modo forçado nessa fase".

9. Convivência
A escolinha também é um local de convivência e inclusão: "o foco (da educação infantil) deve ser uma visão plural de mundo, que respeite as diferenças entre pessoas, contextos e culturas", diz a Base Curricular.

Para Shirley, a escolinha pode inclusive contribuir no combate ao preconceito e à desigualdade de gênero.

"Aqui na escola, meninos e meninas usam todos os brinquedos - bonecas, vestidos, panos. E nessa relação de gênero já vemos eles assumindo papéis que historicamente não assumiam. 'Cuida do nosso filho que eu vou trabalhar', disse uma menina de três anos (enquanto brincava de boneca com o colega)."
A convivência pode se enriquecer também com crianças deficientes físicas ou autistas, por exemplo.

"O que está em evidência (na educação infantil) é sua condição de criança e o que ela tem como potência, e não sua deficiência", prossegue Shirley. "Ela vive as mesmas experiências que as demais, tem interesses e necessidades. E assim ela vai superando sua condição de deficiente, porque vive num espaço onde há igualdade."

Topo