Gestação

Mulher de Jamie Oliver conta como filhas ajudaram no parto do irmão - você faria o mesmo?

PA/Reprodução
Daisy Boo (no canto esq.) e Poppy Honey (canto dir.) se juntaram ao resto da família para a foto com o irmão recém-nascido em frente à maternidade onde ele nasceu, em Londres imagem: PA/Reprodução

Emma Atkinson BBC News

O chef Jamie Oliver e a esposa, Jools, anunciaram nas redes sociais o nascimento do quinto filho.

Até aí nada surpreendente. No entanto, junto com as fotos do recém-nascido, também foi divulgada a notícia de que as duas filhas mais velhas do casal assistiram ao parto da mãe.

O chef e apresentador de TV descreveu o parto como um evento "incrível" e "muito, muito emocionante". Jools contou como Poppy Honey, de 14, e Daisy Boo, 12, ajudaram a cortar o cordão umbilical.

Para muitos, a ideia de convidar crianças para assistir a um parto pode parecer estranha. Mas, segundo parteiras britânicas, cada vez mais pais estão pedindo para que os filhos mais velhos participem do nascimento dos irmãos.

Os pais que optam pela presença dos filhos mais velhos argumentam que isso fortalece os laços da família, evita ciúmes entre os irmãos e pode ajudar a passar uma mensagem mais positiva sobre o ato de dar à luz.

Nos Estados Unidos, o envolvimento de irmãos mais velhos no parto está ainda mais popular do que na Grã-Bretanha. Já existem blogs de pais dando dicas de como transformar o momento em uma ocasião alegre e vídeos documentando toda a experiência no YouTube.

Popularidade

De volta à Grã-Bretanha, Viviene Pettitt foi uma das mães que teve a filha mais velha, Jessica, quatro anos, ao seu lado durante o parto.

"Foi maravilhoso e ela foi fantástica. Ela carregava uma boneca e um cobertor e deu o cobertor para ajudar com o nascimento. Ela foi a primeira a pegar (o irmão) Luke no colo", conta a britânica.

Pettitt explica que preparou Jessica mostrando a ela alguns vídeos de partos na internet para que a criança soubesse o que iria acontecer na hora.

"Luke foi um bebê muito grande. Ele nasceu com 11 libras (quase cinco quilos) e tinha paramédicos para todos os lados (durante o parto)."

"Se a Jessica não virar parteira eu ficarei surpresa", acrescenta.

Reprodução/Instagram
Jools Oliver postou imagens do recém-nascido no Instagram imagem: Reprodução/Instagram

Ceticismo

Outros pais encaram a novidade com ceticismo.

"Meu parto e as horas seguintes definitivamente não foram adequados para crianças!", postou uma mãe no Twitter.

A psicóloga infantil e familiar Mair Edwards afirma que tudo depende de como a mãe vai dar à luz.

"Se o parto está indo bem e tudo está de acordo com os planos, então pode ser uma experiência fantástica", afirma.

"O problema é quando não é um parto fácil: pode haver pânico e isto pode ser muito traumático. Alguns pais dizem que podem ficar muito traumatizados ao assistir à parceira dando à luz.

Como mãe, você também tem que estar confortável com as pessoas olhando para você (naquele momento). É uma escolha muito pessoal", acrescenta.

Preparo

No Brasil, mais pais têm optado por deixar os filhos participar do nascimento dos irmãos, mas muitas maternidades restringem o número de acompanhantes na hora do parto. Por isso, a participação dos irmãos mais velhos ocorre mais comumente em partos domiciliares.

No mundo inteiro, o parto está se transformando em uma experiência mais coletiva. Há algumas décadas era difícil encontrar um pai ao lado da mãe enquanto ela dava à luz.
Agora, segundo a organização britânica National Childbirth Trust (NTC), eles estão na sala de parto em 90% dos nascimentos do país.

Jamie Oliver/Reprodução
O chef e apresentador Jamie Oliver também deu notícias do nascimento de seu filho imagem: Jamie Oliver/Reprodução

Mas quando se fala em deixar crianças participarem, a organização afirma que o preparo é muito importante.

"Uma criança de qualquer idade vai precisar ser preparada para a experiência. Não importa o quanto pode ser maravilhoso assistir ao nascimento do irmão, também pode ser uma experiência desafiadora para uma criança ao ver a mãe sentindo dor ou sangrando", diz Elizabeth Duff, conselheira de políticas do NTC.

Duff explica que, para envolver mais as crianças da família, o parto em casa é uma opção popular. Mas o conselho é explicar para as crianças quais os barulhos que elas poderão ouvir e o que elas poderão ver se entrarem na sala.

"Ter outro adulto de confiança - como um avô - presente ou muito próximo é importante, caso a criança fique assustada, mude de ideia ou haja complicações. Assim elas podem sair rapidamente (da sala)", diz.

 

Topo