Gravidez e filhos

Mulheres grávidas não precisam "comer por dois", indica estudo australiano

Sydney (Austrália), 25 set (EFE).- As grávidas conservam energia adicional e extraem mais calorias dos alimentos sem ter de ingerir mais comida, o que contradiz a crença de que as gestantes devem "comer por dois", mostrou um estudo australiano publicado nesta sexta-feira.

"Essa descoberta sugere a necessidade de fazer uma nova avaliação dos conselhos nutricionais dados às mulheres grávidas", disse o líder desta pesquisa, Tony O'Sullivan, da Universidade de Nova Gales do Sul (UNSW).

Ele também ressaltou a necessidade de as grávidas manterem uma dieta equilibrada e recomendou avaliar as indicações dadas às gestantes de que ingiram alimentos energéticos.

Foram analisados na pesquisa o aumento de peso, a energia utilizada (metabolismo) e a ingestão de alimentos de 26 mulheres grávidas com o uso de sensores móveis sofisticados.

Essas mulheres ganharam em média 10,8 quilos durante a gravidez, sete dos quais eram gordura, acumulada principalmente entre o primeiro e o segundo trimestre.

A acumulação de gordura ocorreu sem que ingerissem mais alimentos do que o habitual, apesar de que sua necessidade diária de energia ter aumentado 8%.

Isso sugere que nas mulheres grávidas há mudanças dramáticas no metabolismo que as permitem conservar a energia adicional como gordura e extrair mais calorias dos alimentos.

Os depósitos de gorduras são muito importantes durante a gravidez porque ajudam no fornecimento de energia para o crescimento do feto e durante a lactação, especialmente nas primeiras seis semanas depois do parto.

O excesso de peso durante a gravidez pode trazer complicações como diabetes, pré-eclâmpsia e maior predisposição a doenças cardíacas no bebê, segundo o estudo. 

Topo