Gravidez e filhos

Melhor acesso à saúde na adolescência pode prevenir doenças na idade adulta

Getty Images
80% dos casos de depressão começam na adolescência imagem: Getty Images

 

Genebra, 6 out (EFE).- A Organização Mundial da Saúde (OMS) formulou nesta terça-feira recomendações para melhorar os serviços de saúde aos adolescentes, faixa etária que recebe pouca atenção, apesar de ser o período em que se costuma adotar comportamentos que causam patologias na idade adulta.

Os dados disponíveis indicam que 35% da carga de morbidade no mundo se origina na adolescência.

Em 80% dos casos de depressão entre adultos, a doença começou a se manifestar na adolescência.

Dentro do ciclo da vida, entre os dez e 19 anos, é frequente encontrar tendências à obesidade, à má alimentação e às desordens mentais, e, em geral, é quando se inicia o consumo de tabaco, álcool e drogas.

Especialistas da OMS afirmaram que grande parte dos adolescentes não tem acesso a serviços essenciais de prevenção, nem a atendimento médico adequado quando já sofrem destes problemas.

"As desordens mentais são uma área em que as intervenções sanitárias antecipadas podem fazer uma grande diferença na vida adulta", disse Anthony Costello, diretor do Departamento Materno, Neonatal, de Infância e de Adolescência da OMS.

"Os adolescentes não são nem crianças nem adultos, são um grupo único, com necessidades específicas, e a fase em que podem se consolidar comportamentos negativos que duram toda a vida", alertou.

Entre as principais recomendações da OMS estão a implementação de serviços sanitários de fácil acesso para adolescentes, com consultas gratuitas ou tarifas reduzidas, que não exijam agendamento nem o consentimento dos pais ou dos tutores.

Os adolescentes também devem estar seguros sobre a confidencialidade das consultas, o que eliminaria o temor de serem vítimas de discriminação.

"Os adolescentes precisam ser informados sobre onde buscar atendimento médico. São vulneráveis porque não têm dinheiro, podem ser sensíveis à discriminação e ao contexto sociocultural, o que pode deixá-los muito reticentes a buscar ajuda", explicou Costello.

Os adolescentes de famílias pobres, que sofrem de violência e abusos sexuais ou que consomem algum tipo de droga "são os que mais raramente entram em contato com os serviços de saúde, apesar de serem os que mais precisam deles", acrescentou.

A OMS assinalou que é comum pensar que os adolescentes precisam somente de informação sobre saúde sexual e reprodutiva, ideia que é muito equivocada.

Em nível mundial, as principais causas de mortes entre adolescentes são a depressão e o suicídio, fatores que - segundo os dados disponíveis - são muito mais prevalentes nos países desenvolvidos.

"Em alguns dos países de economias mais avançadas, desordens como anorexia, bulimia, baixa autoestima, automutilação, ansiedade, o estresse sob outras manifestações e a depressão alcançam dimensões quase epidêmicas entre os adolescentes", revelou Costello.

As causas seguintes de mortalidade são, por ordem de importância, Aids, violência interperssoal e acidentes de trânsito.

Tratam-se, em todos os casos, de doenças ou situações que poderiam ser prevenidas.

Topo