Gravidez e filhos

Consultores ensinam regras básicas para realizar um chá de bebê elegante sem gastar muito

Isabela Barros

Do UOL, em São Paulo

Não sabe como organizar o seu chá de bebê? Pois a primeira regra é não exagerar na produção. Sua preocupação deve ser em fazer uma reunião que tenha a sua cara, envolvendo os convidados em um clima de aconchego e carinho para começar a dar boas vindas ao bebê. E nada mais. Organizadoras de festas e consultores de etiqueta são unânimes em defender que não é preciso investir tanto para oferecer uma confraternização que ficará na memória dos convidados.

"A receita é sempre lembrar que menos é mais”, afirma a empresária Elizabeth Lima, da Fábula e Arte, empresa carioca especializada na produção de festas. "A elegância está na simplicidade e na organização da mesa".

Como exemplo, Elizabeth lembra de um evento surpresa organizado para duas amigas. Uma esperava uma menina e a outra um menino. “Vestimos ursinhos como meninos e meninas, com short e boné ou saias e laços”, diz. Uma dica: as peças podem ser aproveitadas depois, na decoração do quarto do bebê. Os ursos também podem ser vestidos com as roupas do enxoval --que devem ser lavadas depois, claro. 

Uma dica boa para quem não quer gastar muito? "Fazer o chá em casa ajuda a economizar, já que não haverá gastos com o aluguel do espaço", diz. A opção do  aluguel é adotada principalmente por quem mora em apartamento e quer chamar muitos convidados.  "Outra sugestão é colocar na mesa um bolo decorativo e servir um bolo simples, mas gostoso".  Os bolos decorativos são normalmente feitos de isopor, podendo ser cobertos por pasta americana. E estão disponíveis para aluguel por empresas especializadas ou para compra em casas de artigos para festas. O custo é bem inferior ao de um bolo decorado pronto (cerca de um terço do valor).

Ideia de mãe

A professora Manuela Prado, de São Paulo, surpreendeu os amigos ao propor uma ideia diferente para presentear o filho João, hoje com quatro anos.

Além da lista básica, ela montou o "baú do bebê", onde guarda até hoje as recordações trazidas por quem quisesse para o menino, que só abrirá a caixa quando fizer 16 anos.


"As pessoas trouxeram revistas, fotos, cartas, CDs, desenhos", conta Manuela. "Assim, o João poderá ter uma ideia do que estava acontecendo do mundo quando ele nasceu".


Outro exemplo de como é possível montar um evento criativo sem detonar o orçamento vem das empresárias Ana Claudia Andreta e Renata Godoy, sócias da Arte de Bem Receber, de Amparo (SP). "Já organizamos um chá no qual as lembranças eram sementinhas envolvidas em tecido”, conta Ana Claudia. “Os convidados levavam para casa para plantar, ficou muito delicado”. A ideia pode ser aproveitada por qualquer gestante e não custa caro. 

Ana e Renata também são defensoras da simplicidade criativa nessas ocasiões. “Nossa marca registrada é trazer de volta as festas que eram realizadas no quintal de casa, de forma simples, mas cheia de personalidade e charme”, diz Renata. Para tanto, valem vasos pequenos com flores nas mesas, brinquedos que tenham a ver com o tema da decoração do quarto da criança, o prato que é a especialidade da avó servido no almoço etc.

Para não fazer feio, veja respostas para dúvidas comuns

O que pedir aos convidados?
De acordo com a consultora Célia Leão, que trabalha com etiqueta empresarial e pessoal, as pessoas estão deixando de lado a tradição dos chás de bebê, criados para ajudar a mãe a finalizar o enxoval do filho, para pedir itens caros ou realizar uma festa maior do que deve ser. O correto é que as pessoas levem apenas produtos baratos para a mãe e o bebê, como um pacote de fraldas, uma pomada para assaduras, um chocalho.

Quem convidar?
O chá de bebê deve ser realizado apenas para as pessoas mais próximas da gestante. "Chamar mais gente pensando na quantidade de presentes é o fim", diz Fabio Arruda, consultor de etiqueta e autor do livro “Etiqueta Não Tira Férias”. E mesmo que a intenção não seja angariar mais presentes, é bom evitar muita bagunça, principalmente porque o chá é feito mais próximo ao fim da gestação. Melhor mesmo é uma reunião pequena, divertida, mas tranquila entre pessoas íntimas e familiares.

Posso fazer o chá em um bar?
Outro hábito que está se tornando comum é a realização da festinha em bares e restaurante (liberado também para os homens), com os convidados pagando a conta do que consumirem. Não é uma opção condenável (ainda mais se a grávida não tiver como oferecer uma festa), mas Célia afirma que este não é o ideal. "Quem convida, paga. Acho de mau-gosto agir de outra forma".

Devo participar da tradicional brincadeira de adivinhação?
As brincadeiras de pintar as grávidas que não adivinham os presentes pela embalagem são uma tradição, mas, para consultores procurados por UOL Gravidez e Bebês, elas podem ser dispensadas. “Eu me abstenho até de comentar, de tão cafona”, afirma Célia. Para Fabio, tais brincadeiras não têm nenhuma graça ou charme. "Mas cabe à gestante participar ou não", diz ele.

Há outras brincadeiras que eu possa fazer?
A especialista em eventos e assessora Fernanda Pradella sugere opções mais originais para descontrair o chá de bebê: organizar a gravação de um vídeo com a participação do pai da criança; filmar previamente depoimentos de parentes e amigos, organizando um vídeo dedicado ao bebê (cuja primeira exibição pode ser no chá);  entregar uma lembrancinha para as amigas a cada vez que a anfitriã errar o presente (pode ser um chocolate, um chaveiro, um mini-bolo etc.)

Topo