Infância

Aumenta o número de crianças que sofrem lesões em brinquedos infláveis nos EUA

Thinkstock
Segundo o estudo, 90% das crianças que se machucaram tinham menos de 13 anos imagem: Thinkstock

Nicholas Bakalar

Do New York Times

Um novo estudo descobriu que nas últimas duas décadas mais de 64 mil crianças menores de 17 anos se machucaram com brinquedos infláveis em casa ou em instalações públicas de recreação.

Com um banco de dados nacional representativo que usa dados de mais de cem hospitais, os pesquisadores encontraram um aumento de lesões de 111% entre 2008 e 2010. No final desse período, 31 crianças por dia, em média, estavam sendo tratadas em salas de emergência por causa de distensões, fraturas e contusões sofridas em brinquedos infláveis.

"Isso é um aumento epidêmico", disse o autor sênior, Dr. Gary A. Smith, diretor do Centro de Pesquisa de Lesões e Política do Hospital Infantil Nationwide em Columbus, Ohio. "Isso é algo de que temos que tomar conhecimento."

O estudo, publicado online em 26 de novembro no periódico "Pediatrics", descobriu que 90% das crianças feridas tinham menos de 13 anos, e que 16% de todas as lesões ocorreram em colisões com outro usuário. Fraturas e luxações foram as lesões mais comuns, e pouco mais de 3% dos feridos tiveram de ser hospitalizados.

"Nós não estamos dizendo que não se deve usar brinquedos infláveis", disse Smith. "Mas os pais devem considerar limitar o seu uso para crianças de seis anos ou mais, reduzindo comportamentos de alto risco como girar ou dar cambalhotas no ar e, se várias crianças estiverem no brinquedo, garantir que elas tenham aproximadamente o mesmo tamanho e idade."

Topo