Gestação

Cesárea e falta de aleitamento afetam flora intestinal do bebê

Getty Images
A ausência de "bactérias saudáveis" no intestino pode afetar a saúde da criança no futuro imagem: Getty Images

Douglas Quenqua

Do New York Times

Os bebês podem deixar de desenvolver uma mistura saudável de bactérias intestinais quando nascem por cesariana ou quando não bebem leite materno, de acordo com pesquisadores.

Estudos anteriores têm ligado a presença de alguns micróbios intestinais à digestão saudável, à regulação do intestino e à estimulação do sistema imunológico. Quando os micróbios estão ausentes ou perturbados, as pessoas se tornam mais propensas a sofrer de doenças como câncer, asma, alergias e doença inflamatória intestinal.
 
Procurando compreender como os micróbios são desenvolvidos no início da vida, uma equipe de pesquisadores canadenses coletou amostras (fraldas sujas, congeladas) de recém-nascidos no momento de seu nascimento e novamente após três meses. Eles descobriram que muitas crianças que nasceram por cesariana não tinham um grupo importante de bactérias que são encontradas naquelas que nasceram por parto normal. As bactérias intestinais em crianças que ingeriram somente alimentos formulados, em vez de leite materno, também eram significativamente diferentes daquelas encontradas em crianças que receberam pelo menos um pouco de leite materno.
 
Os resultados foram publicados no "CMAJ", o periódico da Associação Médica Canadense. A presença de micróbios no intestino "tem uma função muito importante durante a infância", a de "dizer às células do sistema imunológico para não reagirem de forma exagerada a determinadas bactérias, mas reagir a outras", disse uma das autoras do estudo, Anita L. Kozyrskyj, professora associada da Universidade de Alberta. Quando esses micróbios não estão presentes, o sistema imunológico é mais susceptível a reagir a algo benigno, como alimentos ou poeira.
 
"Achamos que esse é um caminho para o desenvolvimento de doenças como alergia e asma", disse Kozyrskyj, particularmente com o aumento do número de crianças nascidas por cesariana.
 
A pesquisa foi realizada como parte do "Estudo Canadense do Desenvolvimento Longitudinal da Saúde Infantil" (CHILD, sigla em inglês), que está estudando mais de 10.000 pessoas, incluindo 3.500 crianças, em quatro províncias.
Topo