Infância

Objetos simples ajudam a organizar e a decorar o quarto infantil

Valentina Figuerola

Do UOL, em São Paulo

Como lidar com o sem número de brinquedos, livros e outros objetos que se multiplicam no quarto das crianças a cada aniversário, Natal e Dia das Crianças? Segundo a organizadora pessoal Cristina Papazian, o primeiro passo é envolver a criançada na arrumação. “Guardar e organizar têm de fazer parte da brincadeira”, diz a especialista. O segundo é lançar mão de acessórios simples, como caixas, nécessaires e vasos, para guardar coisas e ainda decorar o ambiente.

Presas na parede, cestos de vime ou de rattan viram prateleiras para guardar brinquedos. No compartimento superior de armários, servem para guardar jogos. Sempre suspensos, esses objetos deixam o piso livre para a limpeza. “Tire tudo do chão para evitar acúmulo de poeira. Se a criança for alérgica, prefira as cestas de vime sintético, que podem ser lavadas”, afirma Cristina.

Segundo a organizadora pessoal, as cestas devem ser fixadas na altura dos olhos da criança, a cerca de um metro do chão. Assim ela pode brincar com o que quiser e criar o hábito de devolver o objeto ao seu lugar. “Acima de 1,80 m, deve ficar tudo aquilo a que a criança não pode ter acesso, como eletroeletrônicos e peças de decoração”, fala a especialista.

Recicle as peças em vez de descartá-las. As mesmas cestas, que antes estavam nas paredes, podem depois acomodar meias e bonés em armários. “O que hoje decora, amanhã organiza”, afirma Cristina.

Se a ideia é economizar, as soluções podem vir do reaproveitamento de potes de sorvete e de caixas de presente de papelão para guardar miudezas. “Imprima em preto e branco o desenho do que vai ser guardado no recipiente e peça para a criança pintar. Além de divertido, é uma forma de envolvê-la na arrumação.”

Quem quiser dar vazão à criatividade pode customizar caixotes de madeira, aqueles para transportar frutas, revestindo-os com lençóis antigos ou chita. Basta lixar a madeira, para remover as farpas, e depois usar cola branca para aderir o tecido por fora e por dentro. Ao incorporar dois pares de rodízios, uma solução simples e barata, a peça ganha mobilidade, facilitando a limpeza do piso.

Bonecos preferidos, controle remoto e livros podem ser guardados nos “casulos organizadores”, nome dado por Cristina aos porta-trecos de tecido, que deixam à mão o que é usado com mais frequência pela criança. Presos nas laterais, na cabeceira ou no pé da cama por meio de velcros, podem ser confeccionados com colchas coloridas ou a partir de uma calça jeans antiga, segundo a organizadora pessoal. “Bolsos transparentes deixam à vista o tecido e o que está sendo guardado dentro.”

Topo