Adolescência

Para praticar musculação, jovem precisa atingir maturidade física

Thinkstok
Antes de frequentar uma academia, jovem precisa passar por avaliação médica cuidadosa imagem: Thinkstok

Camila Dourado

Do UOL, em Londres

Com a febre do cuidado com o corpo e a aparência, tão divulgada em novelas, filmes e revistas, ganhar músculos e um corpo delineado tornaram-se objetivos comuns para os adolescentes.

Se há pouco mais de uma década, os esportes que davam resultados rápidos no corpo eram natação, ginástica aeróbica e lutas, hoje a garotada quer ir direto para a academia de musculação.

A atividade é o meio mais rápido de ganhar massa muscular e moldar o corpo, mas não é para qualquer um. Se não for tratada com o devido cuidado, pode oferecer riscos à saúde. Por isso, é importante saber qual é o melhor momento para iniciar a prática física com pesos e não sofrer com excessos.

Primeiramente, tanto a maturidade física quanto os limites de cada corpo devem ser respeitados. Do contrário, adolescentes precocemente musculosos podem sofrer com lesões mais sérias, como desvios de coluna.

Com uma avaliação física cuidadosa, feita preferencialmente por um médico especializado na área esportiva, nada impede que um adolescente frequente uma academia. Sempre com o devido suporte de professores de educação física –credenciados pelo Cref (Conselho Federal de Educação Física)– e bons equipamentos. 


Idade ideal

De maneira geral, as academias aceitam matricular adolescentes a partir dos 16 anos. Se o jovem tiver aval de um médico e um exame físico pode vir a treinar antes.

De acordo com os especialistas, mais importante do que a idade do jovem é a maturidade do seu corpo.

“Um bom exemplo é uma equipe de basquete formada por garotos entre 12 e 14 anos. Enquanto alguns estão formados em altura e, muitas vezes, até em musculatura, outros ainda não se desenvolveram. O ideal é esperar a maturidade física para poder praticar musculação”, afirma Andrea Arruda, especialista em medicina esportiva, ortopedia e traumatologia.

Nas meninas, a maturidade acontece após a primeira menstruação e, nos meninos, depois do chamado estirão de crescimento (quando o indivíduo chega a crescer de oito a dez centímetros em um curto período de tempo). O raio X do punho é a melhor maneira de saber sobre o crescimento ósseo do adolescente.
Já na opinião do médico Bruno Massa, do Instituto de Ortopedia do Hospital das Clínicas de São Paulo, especialista em ortopedia infantil, o ideal é aguardar mesmo os 16 anos para iniciar um treino mais sério de musculação. “É a melhor forma de ter um resultado mais efetivo e proveitoso.”


Benefícios

“Fazer esportes na infância e na pré-adolescência é primordial para ganhar coordenação motora, equilíbrio e reflexos. Além, é claro, de colocar em prática todo o lado socializador da prática esportiva”, afirma Andréa. No caso específico da musculação, ela ainda colabora para o aumento da densidade mineral óssea (concentração de cálcio nos ossos).

Mas, antes de liberar a matrícula na academia, os pais devem entender por que o filho quer malhar.

Sem a presença do devido estímulo hormonal, os músculos não conseguem hipertrofiar (crescer) como acontece no adulto ou adolescente em fase de maturidade. Então, a opção pela musculação pode não ter sentido em determinada fase da vida.

Já em casos de “pequenos atletas”, a musculação pode auxiliar a treinar, com cargas de peso baixas, grupos musculares menos desenvolvidos. Dessa maneira, o indivíduo poderá ter um rendimento superior, tanto em força quanto em resistência muscular.

Bons exemplos são jogadores de tênis e judocas, que costumam ter mais força em determinado braço ou perna, e podem igualar a massa e a força de outros músculos ao treinar com pesos.

Resposta rápida   

Segundo o professor de educação física e personal trainer Maikon Carvalho, a musculação é uma prática física de ganhos rápidos, mas não chega a ser sinônimo de descontração ou prazer ao treinar.

“Antes, na escola e na rua, havia mais possibilidade de se praticar esportes. Hoje sobra tempo na frente da TV e do computador. Acho bacana os pais permitirem que o filho frequente uma academia, um local que é seguro e controlado. Ao criar o hábito esportivo, desde que com acompanhamento e sem abusos, o adolescente ganha com melhor postura, autoestima e menor risco de lesões em quedas e esportes. Sem contar o fato de a adrenalina agir bastante na corrente sanguínea durante o treino, o que, de quebra, deixa-os mais felizes e dispostos.”

De acordo com o professor, o limite de peso e o treino devem ser definidos de acordo com o corpo e o metabolismo de cada aluno.

“Muitos dos meus alunos mais novos chegam sem grande coordenação motora e condicionamento físico, sinal de uma vida sedentária. Então, o treino é feito de maneira personalizada. Muitos estão obesos e, quando entram no ritmo de intercalar exercícios aeróbicos com repetições de peso (anaeróbico), perdem gordura e ganham massa magra (músculos). Quem já fazia ou faz esportes costuma pegar um bom ritmo mais rápido, mas o fato de a musculatura crescer dependerá muito da alimentação, biótipo e metabolismo.”

Principais cuidados

De acordo com o professor Maikon Carvalho, não é raro ver abusos de carga em adolescentes que treinam musculação. “A competitividade é forte. Os rapazes tendem a querer levantar o mesmo que um colega da mesma idade. Mas, um peso que não é o limite para uma pessoa pode gerar uma bela lesão em outra.”

A avaliação médica antes de iniciar a prática de musculação é ainda mais necessária quando existe alguma queixa (dor, falta de ar, tontura) relacionada a esforço físico. Problemas cardiovasculares, por exemplo, podem se manifestar durante um exame físico. Embora seja um problema mais comum em pacientes acima da quarta década de vida, também pode afetar os jovens.

Topo