Infância

Chulé pode se tornar problema sério para criança; veja como eliminá-lo

John Takai/Getty Images/iStockphoto
Se não for tratado, o chulé é um chamariz para problemas mais sérios, como micoses imagem: John Takai/Getty Images/iStockphoto

Maria Laura Albuquerque

Do UOL, em São Paulo

O mau cheiro dos pés não escolhe idade para aparecer: nem mesmo as crianças escapam. Por mais bonitinhas e perfumadas que estejam... Quando tiram o tênis e as meias, lá pode estar ele.

O vilão que se esconde nos tênis e nas meias atende pelo nome de bromidrose plantar. Trata-se de um suor produzido pelas glândulas sudoríparas apócrinas, que se desenvolvem em algumas partes do corpo, como a região genital e os pés. O líquido que secretam é eliminado por meio dos folículos pilosos e, além de água e alguns sais, contém restos celulares e do metabolismo.

Como explica Carla Yuri Wakizaka Ishida, dermatologista da Clínica Integrada D'Aurea Machado, em São Paulo, o chulé aparece quando essa secreção é combinada com o atrito local, a umidade retida nas meias e nos calçados é um ambiente propício para a proliferação de bactérias e fungos, que, por sua vez, decompõem os elementos presentes no suor.

Para acabar com esse problema, é preciso tomar alguns cuidados simples e fazer deles hábitos de higiene constantes:

1 - Prefira que a criança use meias de algodão. As de material sintético, como náilon, não absorvem o suor. “É interessante também buscar meias com fios tratados especificamente para a prática esportiva, situação em que a transpiração é maior”, afirma Maria Cecília Rivitti Machado, dermatologista e médica supervisora da divisão de dermatologia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP.

2 - Lave os pés das crianças com a mesma dedicação que as demais partes do corpo. “Água e sabonete bastam”, fala Maria Cecília. Mas é preciso fazer uma boa higiene em toda a área –entre os dedos, na planta e na sola do pé–, ensaboar mais de uma vez e enxaguar bem.


3 - Depois do banho, seque bem os pés do seu filho com uma toalha limpa e de uso individual. A tarefa precisa ser feita detalhadamente. Não descuide da secagem das unhas e do espaço entre os dedos. Para garantir que a prática seja bem feita, Carla recomenda recorrer a jatos de ar frio do secador de cabelo.

4 - Na hora de escolher o sapato para ser usado diariamente, lembre-se de fazer um rodízio entre os modelos e, depois de usados, deixe-os em um ambiente com boa circulação de ar e ensolarado para que sequem bem. Se possível, retire a palmilha do acessório e a exponha à parte. Outro comportamento valioso é prever se a criança vai passar o dia todo fora de casa e se a agenda inclui atividades físicas. Nesse caso, Maria Cecília recomenda colocar outro par de tênis e de meias na mochila de seu filho, para que ele possa trocá-los ao longo do dia.

5 - Se a criança apresenta transpiração excessiva, a chamada hiperidrose, tenha um talco para pés sempre ao alcance para aplicar na área, desde que esteja limpa. O produto ajuda a absorver a umidade local. Outra boa dica é aplicar na pele limpa spray para pés à base de ingredientes como óleo essencial de hortelã. “Os pais devem prestar atenção no rótulo para se certificar de que os produtos não são contraindicados para crianças. Jamais devem deixar os frascos ao alcance delas”, diz Maria Cecília. Vale lembrar que outros produtos (como desinfetantes) e receitas caseiras não são boas opções. A dermatologista explica que essas fórmulas podem lesar a pele por causa dos ingredientes ou da concentração inadequada.

6 - Evite o uso frequente e por longos períodos de sapatos fechados, apertados e feitos de borracha. Esses itens são os preferidos dos micro-organismos que causam o chulé.

7 - “Cuide para que os tênis e demais calçados, incluindo os chinelos de seu filho, sejam de uso exclusivo dele”, fala Carla.

Saiba como disciplinar o seu filho da forma correta

  • Arte/UOL

8 - Na hora das compras, lembre-se de avaliar se o sapato tem algum odor. Para isso, basta cheirar o acessório. Se o perfume for desagradável, considere escolher outro modelo. Misturado à transpiração, ele pode potencializar o mau cheiro.

9 - Sempre que possível, deixe as crianças com os pés livres, descalços. Assim, a pele pode suar à vontade e a transpiração não fica retida dentro dos calçados.

10 - Livre-se dos sapatos impregnados pelo chulé. Depois de algumas tentativas de limpeza com produtos antissépticos, se a situação não foi resolvida, é sinal de que os micro-organismos se instalaram no acessório.
“No caso de o mau cheiro persistir ou junto a ele surgirem alterações na pele, como rachaduras, descamação ou coceira, o ideal é buscar a avaliação de um médico dermatologista”, declara Carla.

Ensine para seu filho desde pequeno que ignorar o chulé não só é um sinal claro de que a higiene dos pés não está sendo feita com zelo. É um chamariz para outros problemas sérios. “Podem aparecer micoses entre os dedos, conhecidas popularmente como frieiras, e até nas unhas, que por causa disso podem sofrer descolamento da pele ou ter o formato alterado”, fala Carla.

 

Topo