Infância

Descobrir o corpo e se masturbar são coisas diferentes, mas saudáveis

Getty Images
É comum que a criança pequena coloque a mão nos genitais como forma de reconhecer o próprio corpo imagem: Getty Images

Rita Trevisan e Thaís Macena

Do UOL, em São Paulo


Qual pai ou mãe já não se pegou sem saber o que fazer ao ver o filho, recém-saído das fraldas, manipular insistentemente os órgãos genitais? Segundo especialistas, o comportamento só evidencia que a criança está se desenvolvendo normalmente e isso não deve despertar incômodo nos adultos.

“É comum que as crianças entre três e seis anos coloquem a mão em seus genitais, como forma de reconhecer o próprio corpo. Só que esse toque não tem qualquer carga erótica”, afirma o médico João Luís Borzino, terapeuta sexual pela Sbrash (Sociedade Brasileira de Estudos em Sexualidade Humana).

Para as crianças, a experiência rende uma sensação parecida com a que sentimos ao coçar, com as pontas dos dedos, uma picada de inseto. A comparação é da ginecologista e sexóloga Carolina Ambrogini, da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo). E, nesse estágio, a manipulação dos genitais não deve ser considerada masturbação.

“A masturbação, em si, começa a acontecer mais tarde, em geral, paralelamente ao desenvolvimento dos caracteres sexuais, por volta dos 11 anos, ou um pouco antes. Nessa fase, o toque tem conotação erótica, e o jovem se estimula com o propósito consciente de provocar o prazer”, diz o ginecologista e sexólogo Amaury Mendes Junior, professor e médico do Ambulatório de Sexualidade da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro).

Independentemente da idade do filho, a orientação aos pais é tratar o assunto com naturalidade. No caso dos menores, observe se não há outro motivo para a criança estar colocando as mãos nos genitais com frequência. "É muito comum que elas o façam em decorrência de uma assadura, alergia ou um incômodo na região, quando a roupa está apertada, por exemplo", fala Carolina.

Mesmo quando não há outra motivação para o toque, a não ser a curiosidade relacionada ao corpo, é preciso cuidado para não reprimir a criança, retirando a mão dela do local, dizendo que o que ela está fazendo é “feio” ou “ruim” ou, ainda pior, ameaçando aplicar um castigo, caso ela não pare.

Segundo o especialista, muitas pessoas que, na idade adulta, apresentam problemas sexuais, passaram por algum tipo de repressão, justamente na infância, que é uma fase de descobertas.

Mensagem clara

Ao conversar com o filho sobre o tema, o adulto não deve se alongar, já que a criança tem pouca condição de apreender as questões complexas relacionadas à sexualidade. Muita informação poderá confundi-la. Diga apenas o necessário e vá respondendo às demais perguntas que ela fizer sobre o assunto, à medida que forem surgindo, sem se antecipar.

Se, mesmo depois de algumas conversas, a criança, ainda fora da fase da puberdade, continuar se tocando de modo muito frequente, sem corresponder ao que foi combinado com os pais, é interessante observá-la com mais atenção.

“Uma criança preocupada, triste, ansiosa, cujos pais têm uma postura excessivamente crítica ou punitiva, pode usar a sensação de prazer proporcionada pelo toque como uma maneira de aliviar tanto mal-estar”, fala Marcela.

Na adolescência, tudo muda

Falar sobre masturbação com adolescentes é outra história. “A masturbação passa a ser totalmente sexual quando a menina já menstrua e o menino entrou na puberdade. Nessa fase, a estimulação também é normal e ajuda os jovens a desenvolverem sua sexualidade de forma saudável”, diz o ginecologista e sexólogo Amaury Mendes Junior.

É comum que meninos e meninas cheguem a se masturbar diariamente na adolescência, por causa da revolução hormonal pela qual estão passando e pelo aumento do interesse por outros jovens.

“Os pais, em geral, não precisam se preocupar com isso. A masturbação não provoca nenhum problema físico nem tem qualquer relação com um futuro comportamento promíscuo ou perverso”, declara Carolina de Mello Nascimento, psicóloga pela UFSCAR (Universidade Federal de São Carlos).

A masturbação só passa a ser um problema quando os adultos da casa percebem que o adolescente se isola para poder se tocar e que está mudando seu modo de agir, mostrando-se excessivamente triste, inseguro ou ansioso.

“A masturbação em público, mesmo após a orientação dos pais, também pode indicar problemas, como a dificuldade em aceitar limites ou a necessidade de chamar a atenção”, afirma a psicóloga Carolina. Nesses casos, conflitos emocionais provavelmente estão associados, e a orientação de profissionais especializados pode ser bem-vinda.

De qualquer forma, ao notar que o adolescente começou a se interessar pelo assunto, vale conversar sobre. Pais que se sentem envergonhados de abordar o tema podem usar livros e outros materiais ilustrativos para orientar os filhos. Também é importante deixar claro que os adultos estão abertos a responder dúvidas.

“É um excelente momento para conversar com o adolescente sobre diversos assuntos importantes relacionados à sexualidade, tais como prevenção de gravidez e doenças sexualmente transmissíveis, a importância de assumir as consequências dos próprios atos e a necessidade de respeitar a si mesmo e as pessoas com quem irá se relacionar”, diz Marcela.

Topo