Infância

Hormônio de crescimento aumenta risco de derrame, diz estudo

Getty Images
Estudo francês acompanhou 6.874 crianças, com idade média de 11 anos, até completarem 28 imagem: Getty Images

Nicholas Bakalar

Do New York Times

O uso de hormônios de crescimento para o tratamento de crianças está diretamente associado com um aumento no risco de derrames no início da idade adulta, revelou um estudo.

A pesquisa acrescenta evidências, a análises anteriores, que sugerem um aumento no risco de problemas cardíacos e cerebrovasculares em crianças tratadas com hormônios do crescimento.

Os pesquisadores estudaram 6.874 crianças, com média de 11 anos, que eram pequenas para sua faixa etária, mas que estavam saudáveis e foram tratadas com hormônios do crescimento entre 1985 e 1996. Eles as acompanharam até os 28 anos de idade.

Houve um total de 11 derrames no grupo, quatro dos quais foram fatais. A análise revelou que o total foi duas vezes maior que a média esperada para um grupo desse tamanho, uma diferença estatisticamente relevante. Os resultados, publicados na revista científica online "Neurology", foram particularmente impressionantes em relação ao derrame de sangue, um tipo causado pela ruptura de veias –a ocorrência foi sete vezes maior do que a esperada.

Os autores reconheceram que não foram capazes de levar em conta alguns dos fatores de risco, como histórico familiar e fumo.

"As pessoas que consumiram hormônios do crescimento não precisam entrar em pânico ao ler esses resultados", afirmou o autor, Joël Coste, professor de bioestatística e epidemiologia no hospital Hôtel-Dieu, em Paris. "O médico ou o clínico que prescreveu os hormônios deve ser consultado e será capaz de informar e aconselhar os pacientes."

Topo