Adolescência

Pais devem orientar jovem sobre contracepção, mas não vigiá-lo

Getty Images
A camisinha é o melhor método contraceptivo para adolescentes, diz médico imagem: Getty Images

Priscila Tieppo

Do UOL, em São Paulo

Nesta sexta-feira (26),  acontece o Dia Mundial de Prevenção da Gravidez na Adolescência. A data foi instituída no Brasil em 2007, quando o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) apontou que 20% das mães tinham entre 15 e 19 anos.

Em 2012, última pesquisa, o instituto mostrou que as mães nessa faixa etária representam 17%. Segundo especialistas, a desinformação e falta de orientação são as principais causas para esse índice continuar alto no país. Diante disso, qual é o papel dos pais na prevenção de uma gravidez não planejada?

Para Maria Claudia Lordello, psicóloga da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) e uma das coordenadoras do Projeto Afrodite, grupo que promove palestras e ações sobre sexualidade, a conversa deve acontecer em casa, de forma natural, sem pressões e explicando aos adolescentes a importância de se prevenir.

“Os pais devem orientar, mas não vigiar se os filhos estão usando camisinha, fazendo cobranças ou os repreendendo. A responsabilidade da contracepção deve ser dos jovens”, afirma a psicóloga.

Maria Claudia, porém, ressalta que é saudável os pais acompanharem os métodos contraceptivos utilizados e se mostrarem dispostos a tirar dúvidas dos filhos. 

“Deve-se mostrar, desde o começo, que a relação sexual é uma coisa boa e natural na vida das pessoas. Preocupar-se com a contracepção é a parte da responsabilidade, que não deve ser tratada de forma aterrorizante”, diz.

Camisinha

Para que a prevenção seja efetiva, é importante que rapazes e moças entendam os métodos contraceptivos de ambos, já que, em uma eventual gravidez, a responsabilidade é do casal. 

“Os meninos devem aprender como funciona o corpo da mulher, saber sobre períodos férteis, como atua o anticoncepcional hormonal, falar sobre a pílula do dia seguinte para casos de emergência, por exemplo. As meninas, por sua vez, devem saber como colocar a camisinha”, diz Maria Claudia Lordello.

Para Alexandre Pupo, ginecologista do hospital Sírio Libanês, em São Paulo, o contraceptivo mais indicado para os jovens é a camisinha, já que não interfere no ciclo hormonal natural.

“Usada de maneira adequada, esse método previne doenças e a gravidez. Nos casos de falha, é recomendada a pílula do dia seguinte. Esse seria o padrão para adolescência”, diz o médico.

Segundo pesquisa da Unifesp, realizada em 2012, 29% dos garotos e 38% das garotas declararam não utilizar camisinha quase nunca ou nunca nas relações sexuais. Das jovens entre 14 e 20 anos, 32% já engravidaram, pelo menos, uma vez.

“Os adolescentes costumam se expor mais, acham que não vão engravidar e não usam a camisinha. Por isso, muitos optam pelo anticoncepcional hormonal. Mas é importante lembrar que essa opção deve ser secundária. Mesmo usando o medicamento, a camisinha deve continuar sendo o principal para evitar doenças”, afirma Alexandre Pupo.

O ginecologista diz que não existe pílula ou injeção hormonal feita especificamente para o organismo adolescente, cabendo a um médico definir a melhor opção para a jovem que quiser usar uma. "O ideal é que ela não usasse esse método antes dos 19 anos, quando o aparelho reprodutor e as mamas ainda estão em desenvolvimento.”

O médico também ressalta que a pílula do dia seguinte deve ser restringida apenas a emergências, como quando a camisinha estoura. “A jovem não pode tomar sempre que tiver relação sexual, pois, dessa forma, ela não terá a eficácia desejada”, afirma.

Topo