Bebês

Dez táticas para driblar o excesso de visitas para o recém-nascido

Getty Images
Visitas na maternidade tendem a ser mais breves, deixe clara sua preferência imagem: Getty Images

Maria Laura Albuquerque

Do UOL, em São Paulo

Em nome do próprio bem-estar e o do bebê, a mulher que acabou de dar à luz tem licença para ser antissocial e para faltar com a verdade quando se trata de evitar uma enxurrada de visitas nos primeiros dias com a criança em casa. Pode parecer estranho para maioria das pessoas que algumas mães não queiram receber visitas o tempo todo e compartilhar a alegria de ter um novo integrante na família. Porém, o pós-parto é uma fase muito delicada.

Como você driblou o excesso de visitas quando seu filho nasceu?

Resultado parcial

Total de votos
Total de votos

“Mãe, pai e bebê ainda estão se conhecendo e se adaptando à nova dinâmica familiar. A mulher ainda pode estar bastante cansada do trabalho de parto ou em fase pós-operatória, se tiver feito cesariana. A isso, somam-se novas responsabilidades e a privação de sono”, diz Gabi Prado, doula de parto e pós-parto que atende na Clínica Matryoshka, em São Paulo, e em domicílio.

Por isso tudo, Carolina Hofmeister, médica ginecologista e obstetra responsável pelo curso Preparando o Ninho, que faz parte da Escola de Pais do Mamusca, em São Paulo, explica que é importante que os pais deixem o lugar de vítimas da situação para se posicionem, colocando limites para os visitantes. Ainda segundo a ginecologista, o nascimento de um filho é um evento da vida privada e não da vida pública de uma família.

O estresse causado pelo excesso de visitas ou mesmo pelos telefonemas de pedidos para ir até a casa do recém-nascido agita o ambiente, deixa a mãe, muitas vezes, tensa e mal humorada (o que reflete no humor do bebê) e pode até potencializar uma depressão pós-parto.

“O puerpério, com a amamentação e os cuidados com a criança, é um momento ímpar em que o vínculo entre mãe e filho se restabelece após o rompimento marcado pelo parto”, diz Maria Tereza Campos, psicóloga especialista em psicologia clínica de São Paulo e professora universitária.

Sendo assim, receber visitas –programadas ou não– deveria ser a última coisa que as famílias deveriam se preocupar, ainda que queiram muito rever amigos e familiares e apresentar o bebê a eles. Como é natural que as pessoas fiquem ansiosas para conhecer a criança, é preciso pôr limites.

Como você driblou o excesso de visitas quando seu filho nasceu?

Resultado parcial

Total de votos
Total de votos

A primeira providência a tomar para evitar que a casa se torne um palco de muito movimento, sugere Gabi, é preparar um e-mail antes do nascimento, deixando espaço para uma foto e informações sobre o bebê, e enviá-lo aos mais próximos quando ele nascer. Isso pode ajudar a matar um pouco a curiosidade dos mais próximos.

“Na mensagem, os pais podem compartilhar a alegria, fazer com que as pessoas se sintam parte desse momento especial e, delicadamente, explicar que estão se adaptando e que precisam de tempo e calma para que isso aconteça, deixando claro que as visitas serão muito bem-vindas em breve –quando passarem os primeiros momentos de ajuste na rotina”, fala a doula.

Outra ideia, logo depois do parto, segundo Carolina, é enviar uma mensagem aos amigos e parentes informando que visitas serão recebidas na maternidade e informar os dias. Esse é um jeito sutil de delimitar o espaço.

Além disso, outras providências ajudam a driblar o excesso de pessoas em casa ou abreviar o tempo delas no local. Confira a seguir.

1 - Caso as pessoas apareçam sem avisar antes, atenda a porta de pijama, descabelada e com cara de sono (cena que pode acontecer mesmo premeditação). “Essa situação, geralmente, faz com que as visitas percebam que a mulher não está pronta para receber e que estava indo descansar ou estava descansando”, diz Gabi.

2 - Peça para outra pessoa atender a porta ou o interfone, explicar aos visitantes que você está dormindo e que precisa muito descansar e, assim que possível, fará contato para um novo encontro, em horário oportuno.

3 - Para evitar surpresas, deixe gravado, na secretaria eletrônica do telefone de casa e na caixa postal do celular, que não pode atender no momento e que visitas para o bebê serão bem-vindas mais adiante. Peça, ainda, para quem ligou deixar um recado para que você possa incluí-lo na lista de convidados.

4 - “O pai tem papel fundamental no controle do tempo de permanência das pessoas na casa”, fala Carolina. Ele pode, por exemplo, sugerir em determinado momento, que a conversa termine no jardim da casa ou no hall do prédio, já que a mulher precisa descansar ou cuidar do bebê.

5 - Não se sinta na obrigação de levar as visitas para ver o bebê, principalmente se ele estiver dormindo. Explique às pessoas que seu filho tem sono leve e fica irritado quando é acordado por qualquer barulho.

“As crianças, certamente, não se importarão em conhecer a tia-avó ou o amigo de infância do pai em outro momento”, diz Gabi.

Ainda assim, para não deixar a situação ficar chata, Carolina sugere mostrar fotos do bebê às visitas. Caso a criança esteja acordada, a vontade da mãe deve ser respeitada: ela só deve apresentar o filho aos convidados se sentir à vontade, tal como deixá-los pegá-lo no colo. Também é importante deixar as regras claras, como lavar as mãos e tirar os sapatos para entrar no quarto. 

6 - Diga às pessoas que o pediatra recomendou que visitas não são bem-vindas nas primeiras semanas de vida da criança –mesmo que o profissional não tenha dito isso. Aproveite-se da autoridade do médico!

7 - Caso as visitas prolonguem demais a estadia na casa, é interessante combinar com alguém –o pai da criança ou quem estiver ajudando (sogra, mãe, tia...)– que a pessoa sugira, na presença das visitas, que a mãe se retire para descansar. “Essa é uma forma sutil de mostrar às pessoas que aquele não é um bom momento para elas continuarem ali”, diz Gabi.

Outra boa estratégia é você mesma pedir licença para se retirar e fazer o bebê dormir, amamentar ou preparar o banho, por exemplo.

8 - Se estiver sozinha e for surpreendida por um visitante com quem não tem intimidade, invente algum compromisso –consulta no obstetra ou no pediatra, por exemplo– e diga que, por isso, a visita terá de ser rápida, informando o horário que terá de sair. 

9 - Caso as visitas estejam presentes no momento das refeições, não se intimide em almoçar ou jantar sem oferecer nada a elas. Explique que terá de se retirar para se alimentar.

10 - Estipule um horário para a visita se encerrar assim que as pessoas chegarem ou as informe por telefone. Vale explicar que receberá outra visita em seguida ou que em determinada hora ocorre o banho do bebê e esse é um momento que você faz questão de estar a sós com ele, totalmente dedicada.

Topo