Infância

Má postura e marcas nos ombros são sinais de mau uso da mochila

Getty Images
Para evitar excesso de peso, pais devem orientar filhos na arrumação da mochila imagem: Getty Images

Andrea Giusti

Do UOL, em São Paulo

As mochilas escolares fazem parte da rotina de crianças e adolescentes. Ao comprarem um modelo para o filho, os pais, no entanto, devem estar atentos a detalhes que vão além da aparência do produto. Carregada de cadernos e livros, a mochila pode causar dores nas costas, nos ombros e lordose (curvatura excessiva da coluna espinhal), quando usado de maneira errada.

Os dois modelos existentes no mercado, a mochila de colocar nas costas e a versão com rodinhas, devem seguir normas de peso e modo de uso para a criança manter a postura ideal. "O carrinho seria menos problemático, mas, socialmente, as crianças já não querem usar, principalmente as mais velhas. Então, o ideal é contornar a situação usando a opção das costas adequadamente", declara o ortopedista pediátrico Claudio Santili, ex-presidente da SBOT (Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia).

Peso

Mesmo vazia, a mochila precisa ter uma estrutura leve. "O material a ser transportado não deve ultrapassar 10% do peso da criança", diz Luiz Carlos de Andrade Junior, ortopedista pediátrico do Hospital Albert Einstein, em São Paulo. "Quando a criança inclina o tronco, é um indicativo de que está ultrapassando o limite. A mochila não pode causar posturas compensatórias, marcas avermelhadas, dores ou cansaço", fala o profissional.

O cinto de segurança (que une as alças da mochila na altura da barriga) deve ser afivelado, e não ficar pendurado. Além de manter a carga junto ao tronco, a medida também diminui o esforço. "O que é mais pesado deve ir perto do corpo, assim, não tenderá a puxá-lo para trás", afirma Santili. Os adultos têm de ficar atentos na hora da arrumação e ensinar a criança a separar apenas o material necessário do dia.

Modo de usar

Ao comprar o modelo para colocar nas costas, prefira aqueles que têm alças largas, com, no mínimo, quatro centímetros de largura, e acolchoadas. "O grande problema é quando a mochila é usada em apenas um dos ombros. A musculatura que dá suporte à estrutura óssea é pressionada e pode causar dor nas costas, nas articulações e na região lombar e desvio postural, se for carregada por um tempo prolongado", fala o ortopedista Santili.

A mochila deve ser regulada no nível da cintura. Muito abaixo das nádegas, como adolescentes costumam usar, tende a tracionar a coluna para equilibrar o peso. "Quanto mais baixa estiver, mais sobrecarregados ficarão os ombros", diz o fisiatra Daniel Pimentel, do Hospital do Coração, também na capital paulista.

Rodinhas

Se a opção for a mochila com rodinhas, é preciso analisar o acesso na escola para o transporte não se tornar uma dificuldade. Calçadas esburacadas ou íngremes e escadas podem provocar quedas, por exemplo.

Segundo Andrade Junior, o uso de mochilas com rodinhas é mais confortável, porém o comprimento do puxador deve ficar na altura dos quadris da criança, para evitar que ela se incline para puxar. Também é indicado revezar o ato de puxar entre o braço direito e o esquerdo, para não sobrecarregar os ombros e prevenir torção do tronco.

Topo