Adolescência

Depressão na adolescência não é frescura; conheça 11 sinais

Getty Images
Segundo a OMS, a depressão é o principal problema de saúde entre adolescentes imagem: Getty Images

Marina Oliveira e Suzel Tunes

Do UOL, em São Paulo

Já está em fase de teste um exame laboratorial para diagnosticar a depressão. O recurso será especialmente útil para constatar a doença em adolescentes que, algumas vezes, não têm os sintomas levados a sério pela família, porque os sinais que dão são confundidos com alterações de comportamento comuns nessa fase.

“A ausência de comprovação do diagnóstico por meio de um exame laboratorial faz com que muita gente não entenda a depressão como uma doença do cérebro”, diz o psiquiatra Miguel Angelo Boarati, coordenador do Programa de Transtornos Afetivos na Infância e Adolescência do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da USP (Universidade de São Paulo). “Por desconhecimento ou preconceito, as pessoas julgam que jovens deprimidos têm falta de vontade de melhorar ou não querem reagir.”

A descoberta de um exame capaz de diagnosticar a depressão foi anunciada em setembro de 2014 por um grupo de pesquisadores da Universidade Northwestern, nos Estados Unidos. Segundo o estudo, publicado no periódico especializado “Translational Psychiatry”, é possível identificar a doença por meio de marcadores biológicos encontrados no sangue. Foram examinados 64 voluntários e os resultados foram promissores. Agora, os autores se preparam para uma segunda fase de testes: a ideia é validar o achado com uma população maior de pacientes.

Muitos portadores de depressão enfrentam preconceito dentro da própria família, segundo Silvana Martani, psicóloga do Hospital Beneficência Portuguesa, em São Paulo, e organizadora do livro “Manual Teen” (Editora Wak). “É muito comum que o adolescente deprimido ouça frases do tipo: ‘você está chorando de barriga cheia’ ou ‘você não tem problemas, não tem motivos para estar triste’”, fala a especialista.

Doença mais frequente na adolescência

Desvalorizar o sofrimento do adolescente é a pior atitude que a família pode adotar. “A depressão, como qualquer outra doença, deve ser tratada com seriedade, nenhuma queixa persistente pode ser desvalorizada”, afirma a psicóloga Silvana.

De acordo com um relatório divulgado pela OMS (Organização Mundial da Saúde), em maio de 2014, a depressão é o principal problema de saúde entre os adolescentes, fator diretamente relacionado ao suicídio, uma das três maiores causas de morte na faixa etária de dez a 19 anos, juntamente com acidentes de trânsito e o vírus da Aids.

“Dois terços dos suicídios são cometidos por adolescentes que estavam clinicamente deprimidos”, diz a psicóloga Luiza de Lima Braga, que pesquisou o comportamento suicida em adolescentes em seu trabalho de mestrado pela UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul).

O suicídio pode ser a consequência mais grave de um quadro depressivo não tratado adequadamente, mas não é a única. “A depressão na infância e na adolescência é duradoura e afeta múltiplas funções, causando significativos danos psicossociais”, declara Luiza. 

"Segundo um estudo americano (o “Los Angeles Epidemiologic Catchment Area Project”), 25% dos adultos com depressão relataram o primeiro episódio da doença antes dos 18 anos”, afirma a psiquiatra Sônia Maria Motta Palma, professora da Universidade de Santo Amaro e uma das autoras do "Manual de Atenção à Saúde do Adolescente", da Secretaria Municipal da Saúde de São Paulo.  Por isso, diante de alterações de comportamento e sinais de depressão, os pais devem investigar o que está ocorrendo e, se necessário, buscar ajuda médica e psicológica.
 

Envolvimento da família

O tratamento da depressão na adolescência é, em geral, multidisciplinar. “As melhores opções de conduta associam o uso de antidepressivos, receitados por um psiquiatra, com apoio psicoterápico e acompanhamento à família. Orientar a escola também é importante, para que o jovem não tenha perdas acadêmicas durante o tratamento”, diz César de Moraes, especialista em psiquiatria infantil e professor da PUC (Pontifícia Universidade Católica) de Campinas.

Nem todos os casos requerem medicação, mas é fundamental o envolvimento dos familiares. “Os pais devem acompanhar de perto o tratamento, seguir as orientações dadas pelos profissionais envolvidos, não julgar ou criticar o filho por estar deprimido e, se necessário, realizar mudanças no ambiente familiar”, diz o psiquiatra Miguel Angelo Boarati.

Segundo o Boarati, os conflitos em família, as cobranças por desempenho em múltiplas tarefas e a falta de diálogo em casa podem ser gatilhos que desencadeiam a depressão nos adolescentes.

Sinais da depressão

Vários comportamentos relacionados à depressão podem ocorrer em algum momento da adolescência. Por isso, os especialistas esclarecem que é preciso considerar a intensidade e a frequência desses sinais e analisá-los dentro de um contexto mais amplo, avaliando o estado geral do adolescente. Saiba mais sobre eles a seguir.

1 - Humor depressivo
O adolescente parece não sentir alegria ou prazer de viver. Mostra-se melancólico, entediado, indisposto e sem esperança. Tem baixa autoestima e pode apresentar crises de choro sem razão aparente.

2 – Apatia
Às vezes, é confundida com preguiça. O adolescente demonstra falta de energia, cansaço frequente e perda de interesse por atividades que antes eram prazerosas.

3 - Isolamento social
Os adolescentes deprimidos tendem a se isolar de amigos e familiares.

4 - Irritabilidade e instabilidade
Mau humor, descontrole emocional e explosões de raiva podem fazer parte do quadro depressivo.

5 - Alteração do ritmo de sono
O adolescente pode dormir mais ou menos do que de costume. Também são comuns episódios de insônia.

6 - Alteração no apetite
Perder a vontade de comer é o mais frequente, mas pode haver, também, aumento de apetite, sobretudo por alimentos doces. Perda ou ganho de peso significativo em pouco tempo podem estar associados.

7 - Dificuldade de concentração
Frequentemente está associada à queda no rendimento escolar. Em alguns casos, o jovem depressivo abandona os estudos.

8 - Uso de drogas
Muitas vezes, resultante de tentativas de automedicação para alívio do sofrimento causado pela doença.

9 – Automutilação
Em situações de extremo sofrimento, alguns adolescentes podem adotar um comportamento autodestrutivo, cortando-se ou queimando-se. Provocar dor física é uma forma de tentar tirar o foco da dor emocional.

10 - Comportamento de risco
O flerte com o perigo pode ser uma forma de combater a apatia. Andar distraidamente no meio de avenidas movimentadas, praticar esportes radicais sem cuidados de segurança ou mesmo fazer sexo sem proteção podem ser formas de buscar emoções fortes.

11 - Pensamentos suicidas
São comuns ideias mórbidas e tentativas de suicídio.

Topo