Gravidez e filhos

Na TV, contexto erótico, não nudez, gera na criança comportamentos precoces

Getty Images
O ponto central não é a nudez e, sim, o contexto erótico em que ela aparece na TV imagem: Getty Images

Marina Oliveira e Rita Trevisan

Do UOL, em São Paulo

Expor crianças a cenas que insinuem sexo, como as exibidas frequentemente em novelas e séries de televisão, pode fazer com que sejam antecipadas situações na infância, como a excitação sexual. “Dependendo da intensidade, a cena pode ser excessiva para o psiquismo da criança, que ainda não desenvolveu mecanismos para entender ou abstrair o conteúdo”, afirma a psicanalista infantil Anne Lise Scappaticci, doutora em saúde mental pela Unifesp (Universidade Federal de São Paulo).

Na sua casa, as crianças podem ver novela?

Resultado parcial

Total de votos
Total de votos

A especialista explica que, na infância, a cabeça funciona como uma esponja, que absorve tudo, sem entendimento. “A criança, ainda pequena, já observa tudo e reage aos estímulos de um modo pessoal. Se aquele conteúdo vai além de sua capacidade de elaboração, torna-se prejudicial ao desenvolvimento”, afirma.

A partir do momento em que começar a entender o que está na tela, a criança pode ser afetada de outras formas, segundo a psicopedagoga Irene Maluf, da ABPp (Associação Brasileira de Psicopedagogia). “O que é mostrado na televisão tende a ser incorporado como algo aceito pela sociedade. E a precocidade na vida sexual pode ocasionar prejuízos para a escolaridade e a formação infantil”, diz.

O ponto central não é ver os corpos masculino e feminino nus, pois as reações a esse tipo de conteúdo dependem da naturalidade com que os pais lidam com a nudez no dia a dia. Para a psicanalista Marcia Porto Ferreira, professora do curso psicanálise com crianças do Instituto Sedes Sapientiae, o mais grave é permitir o acesso a cenas eróticas que, vistas na TV, no cinema ou na internet, podem confundir a criança em seu processo civilizatório. “É muito contraditório adultos proporcionarem cenas de conteúdo erótico a pequenos sujeitos em formação, em uma sociedade que não aceita a sexualidade sem freios”, declara.

Por isso, nunca é demais repetir que cabe aos pais proteger os filhos do conteúdo inadequado. Ainda mais se forem levados em consideração os dados do Ibope (Instituto Brasileiro de Opinião e Estatística), divulgados em 2014, que apontam crescimento no consumo individual de televisão nos últimos seis anos. De acordo com o instituto, as maiores taxas de crescimento envolvem telespectadores de quatro a 11 anos, que passaram a ficar 38 minutos por dia a mais diante da tela em 2013. O tempo médio que um brasileiro permaneceu em frente à TV, no mesmo ano, foi de cinco horas e 45 minutos.

$!$render-component.split('/')[$math.sub($render-component.split('/').size(), 1)]

O adulto é o filtro

De acordo com a psicanalista Marcia Porto Ferreira, tudo o que é oferecido à criança --incluso aí a programação da TV-- deve ser muito bem escolhido pela família. “A criança nasce com um psiquismo incipiente, que vai se constituir a partir do que ela recebe do mundo que a cerca”, diz.

Portanto, é função dos responsáveis reter a programação inadequada. Se, por acaso, alguma cena erótica aparecer de surpresa durante uma atração a que o menor teve acesso, a família deve explicar porque aquele conteúdo não é próprio para ele. “O melhor é agir com naturalidade e mudar de canal, dizendo que não é apropriado para a idade. Com esse tipo de atitude, ele sentirá que o adulto é uma autoridade, responsável por protegê-lo”, diz a psicanalista infantil. A mesma medida deve ser tomada nos casos de exibição de cenas de violência.

Para Irene Maluf, é a cultura e o contexto de vida de cada família que definem o que é adequado ou não para a criança, naquele momento. “A média de idade que parece ser mais adequada para começar a ter acesso a conteúdos mais sensuais ou violentos é por volta dos 16 anos, mas isso é muito relativo e varia conforme o meio cultural, religioso e familiar e com a educação que a criança teve até essa idade”, declara.

Topo