Gravidez e filhos

"Fumar maconha me torna uma mãe melhor", afirma escritora

The Becoming SuperMommy Clan
Lea afirma que, quando fuma maconha, fica mais paciente e se conecta com suas filhas imagem: The Becoming SuperMommy Clan

Do UOL, em São Paulo

Há quatro anos, a escritora Lea Grover estava em casa, exausta, cuidando de suas filhas gêmeas, que, na ocasião, tinham um ano, quando resolveu fumar maconha novamente, 11 anos depois de ter experimentado a droga pela primeira vez.  “Enquanto uma chorava sem parar, e eu não sabia o porquê, a outra ria muito. No desespero, resolvi fumar um pouco. Duas tragadas foram suficientes para começar a interagir melhor com elas”, disse em depoimento ao site americano "Good Housekeeping".

Para Lea, a maconha a ajudou a ficar mais conectada com as filhas. Ela entendeu, por exemplo, que a menina estava chorando por sentir-se desconfortável com a fralda. "Assim que tirei a fralda, ela sorriu. Normalmente, logo colocaria uma nova, preocupada em evitar que ela fizesse xixi no chão, mas, como estava sob o efeito da droga, nem liguei, afinal, é só xixi e, se caísse no chão, bastava limpar", contou.

A escritora afirmou que não costuma fumar muitas vezes, principalmente perto de adultos, pois fica paranoica. Ela disse que, quando fica sozinha com as crianças, a maconha a deixa mais paciente. "Demoro para ficar brava ou irritada, pois quando fumo, entendo as frustrações que as crianças têm, consigo ver o mundo da mesma forma que elas enxergam. É difícil ser criança, pois, às vezes, as coisas que são óbvias para os adultos não são para elas", falou em seu depoimento.

Além de facilitar a proximidade com as crianças, Lea também contou que a droga a ajuda a relaxar sem causar nenhum tipo de efeito colateral, ao contrário de alguns medicamentos recomendados para controlar a ansiedade. "Quando fumo, digo mais 'sim' para os pedidos das minhas filhas. Aceito fazer biscoitos, brincar de desfile, tudo o que, normalmente, me deixaria tensa", contou.

Mãe de três filhas, Lea disse que não fuma na frente das crianças e que nem pretende fazer isso no futuro. Em seu depoimento ao "Good Housekeeping", ela afirmou que, quando forem adultas, as meninas poderão tomar suas próprias decisões a respeito da maconha. “Atualmente, fumo para que eu possa ser uma mãe melhor, pois elas merecem tudo de bom”, falou ao site.

Topo