Gravidez e filhos

Atualizada em 29.09.2015 17h55

Salão de beleza divulga foto de criança com cabelo alisado e causa polêmica

Reprodução/Facebook
Salão publica "antes e depois" de procedimento feito em menina de dois anos imagem: Reprodução/Facebook

Thamires Andrade

Do UOL, em São Paulo

 

Uma imagem de uma criança de dois anos com o cabelo alisado causou polêmica nas redes sociais. A publicação, feita pelo salão de beleza Inovar Beauty, localizado em Ribeirão Preto (SP), mostrava o "antes e depois" da menina. "Em breve, mais um lançamento da Eiffel Cosméticos para crianças que querem soltar os cachos ou até mesmo alisar", anunciou a página no Facebook. Após várias críticas, o post foi apagado.

De acordo com a dermatologista Alice Nunes, membro da SBD (Sociedade Brasileira de Dermatologia) de São Paulo, não há estudos que atestem a segurança da utilização desses produtos em crianças. "Ainda que os fios das crianças sejam semelhantes aos dos adultos, o couro cabeludo não é. A pele da criança é mais permeável e sensível, e o risco de toxicidade é maior", declara.

O UOL Gravidez e Filhos entrou em contato com um celular disponível no SAC (Serviço de Atendimento ao Cliente) do site da marca Eiffel e um funcionário, que não quis se identificar, afirmou que o novo produto, ainda sem nome, está sendo testado para verificar se realmente solta os cachos e se causa alguma ardência ou pinica o couro cabeludo.

Apesar de dizer que o cosmético ainda está sendo testado, o mesmo funcionário afirmou que a fórmula é segura. Além disso, o produto não é considerado uma pasta alisadora, pois não contém amônia, formol ou guanidina em sua composição. "Às vezes, realmente, essas substâncias não estão presentes na fórmula, mas uma mistura de componentes provoca uma reação química e o produto pode virar tóxico", diz a dermatologista Alice.

O maior risco para as crianças, segundo a especialista, é ter queimaduras no couro cabeludo após o procedimento. "Além disso, como a pele da criança é mais permeável, ela pode absorver o produto e não dá para saber qual tipo de reação isso pode causar no sistema respiratório ou cardíaco", afirma.

Procurada para saber como foi realizado o procedimento na criança, a responsável pelo salão de beleza não quis comentar o caso pelo telefone.

Dicas para cuidar dos cabelos infantis

Segundo o funcionário que atendeu o telefone do SAC da Eiffel Cosméticos, a mãe não quis alisar o cabelo da filha, mas, sim, soltar seus cachos, já que, segundo ele, a menina chora toda vez que tem de pentear os fios. 

"O cuidado diário que os pais podem ter é utilizar um xampu e um condicionador infantis da mesma marca, por terem pH equivalentes. Eles ainda podem passar um óleo natural com o cabelo ainda úmido para facilitar o ato de desembaraçar o cabelo. Pode ser qualquer óleo, como o de argan, de uva ou amêndoa", fala Alice.

Outro alerta da dermatologista é evitar puxar muito o cabelo da criança ao pentear os fios. “A tração que é feita pode gerar queda de cabelo definitiva, pois o fio é tracionado, inflama e alguns não voltam a crescer na região”, afirma.

Reprodução/Facebook
A mãe postou uma foto da menina no Facebook após o tratamento imagem: Reprodução/Facebook

Em seu Facebook, a mãe da menina respondeu às críticas. "O procedimento feito no cabelo da minha filha chama-se botox. É um tratamento sem formol, à base de leite, que pode ser usado em crianças, gestantes e lactantes. A vocês que não têm o que fazer, vai o meu f... Cuidem de suas vidinhas."

A mulher disse ainda que o efeito liso foi dado pelo uso de chapinha. O cabelo da criança, segundo ela, continua com cachos, só que está "mais macio e suave para pentear". Para provar, ela publicou uma foto da menina com os fios cacheados.

De acordo com a dermatologista Gisele Nunes, membro da SBD-SP e médica voluntária do Ambulatório de Cabelos da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), o uso de chapinha nessa idade não é recomendado. "Os fios das crianças são mais frágeis do que os dos adultos e podem fraturar ao ter contato com uma temperatura tão elevada", explica.

Além disso, segundo Gisele, a criança também corre o risco de ter alguma queimadura por conta do uso do aparelho. "Passar chapinha não vai causar uma doença na criança, mas pode, sim, causar lesões", afirma.

Topo